A VER


Calendário Interparoquial

segunda-feira, 30 de março de 2020

DOMINGO DE RAMOS: PROPOSTA A NÃO PERDER (na nossa casa, em família, ou até sózinhos)

UM DOMINGO DE RAMOS 'DIFERENTE'
mas sempre domingo da Paixão
----------------------------------------------------
Caros irmãos e irmãos...
*Aproximamo-nos do Domingo de Ramos. Nas nossas comunidades sempre tem sido, desde que me recordo, um dia muito vivido e sentido...onde a primazia (o lugar primeiro) é reservado à Cruz, bem florida, sinal do seu valor quando sinal do amor que dá a vida pela vida! Relevo as procissões nas várias comunidades, normalmente preparadas com empenho e encanto (uma bela procissão com o povo em Mira de Aire que junta centenas e centenas - com todo o encanto e alegria da participação massiva das crianças e adolescentes da catequese, 'comandados pelos jovens do 10º ano, com a representação da Paixão e o embelezamento da Igreja e adro pelos Quarentões -; na paróquia de Alvados (em que, além da procissão, avia-se a conclusão do 'Cantar das Almas', cuja tradição se perde por muitos anos atrás e se mantém ainda hoje pela mão de alguns jovens alvadenses); em São Bento (onde até há bem pouco tempo ainda se procurava representar a entrada de Jesus com um 'jumentinho', como bom imitadores do Mestre humilde)...
*Este ano será 'diferente, porém com o mesmo sentido'. Não nos reunimos todos, pois sabemos que 'ficar em casa é salvar vidas'. Ficamos, por isso, nas nossas casas e propõe-se uma celebração (que indicarei a seu tempo) em família e um gesto bem simbólico (ao alcance de todos e de cada um), como se ali estivesse toda a comunidade, todos os familiares que estão perto ou longe, todos os habitantes da nossa terra...
* A proposta deste gesto simbólico já tem surgido por aí em várias redes sociais e, por ser relativamente fácil de realizar, parece-nos um modo muito bonito de assinalar e celebrar este Domingo e também toda a semana santa até à Páscoa (pelo estado da situação vamos viver a Páscoa entre nós, na própria casa).
A proposta é: no próximo Domingo, Domingo de Ramos, cada família coloca uma cruz - se porventura, creio que não, alguém não tiver uma cruz poderá colocar o terço ou a Bíblia, com os cuidados necessários se for colocado no exterior - na porta de nossa casa (varanda, portão ou outro sítio visível), que aí permanecerá toda a Semana Santa. No Domingo de Páscoa enfeitamos essa cruz com flores, assinalando, desta forma, a alegria da Ressurreição de Cristo. atenção: este ano a proposta é que no dia de Ramos se coloque apenas a cruz, sem flores, para que no domingo essa cruz se torne bela como sinal da vitória de Jesus crucificado, da alegria sobre a tristeza, da vida sobre a morte,da união sobre a divisão, do encontro sobre o individualismo... Os sinais falam-nos sem palavras.
* Quem quiser poderá tirar foto e partilhar como comentário nesta publicação (no facebook). Mais fácil é enviar para: pluis.ferreira@gmail.com. Tirar uma no domingo de Ramos e outra na Páscoa.  Podemos, quem sabem, partilhar depois a beleza da nossa arte perante o mistério e a alegria pascal. Alinham? Não é de todo o mais importante, mas tudo tem sentido se for para nossa edificação e ânimo! 
* Peço-vos que partilhem esta proposta - alguns catequistas e outros já estão a fazer - para chegarmos ao maior número de pessoas. Como há pessoas que não têm redes sociais e, neste momento, não é possível chegar a todos, peço o favor de divulgarem junto delas esta iniciativa.

Hoje é segunda-feira...podem começar a trabalhar (quem tiver filhos, fazer com eles, usando a vossa e a criatividade de todos...). 
Vamos viver Domingo de Ramos com a mesma intensidade - não podemos deixar perder a alegria e a intensidade deste dia -  e unidos pelos laços da fé e da amizade? Aguardamos os ecos e os benefícios desta Páscoa. 

Entretanto vamos acertando pormenores.

Um abraço 
PLuis

ALARGAR HORIZONTES (LV) - Ninguém se salva sozinho


sábado, 28 de março de 2020

V DOMINGO QUARESMA (A) - A partir da Palavra

V Q:  - «Senhor, o teu amigo está doente. (…) Lázaro morreu…» - Ano A
A nossa humanidade faz-nos pecadores desde o berço!
A nossa forma de ser homem e mulher faz do mundo um local triste e frio!
A nossa condição de barro e de pó da terra arrasta-nos para um caminho sem luz…
e o medo da jornada abalroa-nos a Fé e a Esperança!
É hora de aceitar a nossa missão de Baptizados…
É tempo de Acreditar que somos de Deus…
Que somos Seus Filhos e que o Seu Santo Espírito habita em cada um de nós!
O anúncio da morte entra pelas nossas casas diariamente e sem pedir licença…
Ficamos com os olhos em lágrimas, com o coração partido e o temor apodera-se do nosso discernimento.
Queremos que tudo passe… que a morte se afaste de cada um de nós!
Queremos um encontro interior com o Senhor da VIDA…
Caímos por terra, pedimos perdão por nos afastarmos Dele e colocamos a nossa VIDA nas Suas Mãos.
Então, sentimos o poder de Deus em nós e um suave vento afaga-nos o rosto. 
Hoje, a Liturgia do 5º domingo da Quaresma, do Ano A,
toma-nos no seu colo e leva-nos para um lugar seguro,
onde não há tristeza, nem doenças, nem morte.
Onde temos um Deus que habita no meio de nós e sente como eu e como tu:
«Jesus, ao vê-la chorar, e vendo chorar também os judeus que vinham com ela,
comoveu-Se profundamente e perturbou-Se.»
O Cristo, que é humano, nunca duvidou do Seu Pai.
Agradece SEMPRE, numa profunda obediência, e por TUDO o que a vida lhe reserva:
«Pai, dou-Te graças por Me teres ouvido.»
Tudo o que Deus já fez por cada um de nós deveria ser suficiente, para acreditarmos que está connosco.
Não podemos desesperar! É urgente lutar contra o medo… aquele medo do sofrimento e da morte. 
Um Cristão que não crê na Vida eterna e na Ressurreição, é um simples humano, que dorme e não quer acordar.
À ordem do Mestre: «Tirai a pedra». devemos rasgar o nosso coração e libertar o Espírito Santo que nos habita.
O túmulo, que é o nosso corpo, não pode aprisionar a beleza do Amor que nos une ao Pai. 
O nosso tempo não é o de Deus.
O nosso pensamento,
quando se afasta do Senhor, deixa de ter vida, de ter esperança, de ter amor… 
O Pai permanece em silêncio!
Bem sabe que, no profundo do nosso abismo, ansiamos aquele olhar de Misericórdia. 
Aguarda, carinhosamente, que peçamos ao Seu Filho, como Marta o fez,
e quer escutar da nossa boca a profunda e bela profissão de Fé:
«Acredito, Senhor, que Tu és o Messias, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo» 
Ontem, hoje e mais forte que nunca: Deus vem até nós e ressuscita a nossa vida!
Vamos Acreditar que um novo mundo irá surgir!
Vamos semear Esperança no peito dos desanimados…
Vamos reconhecer a Glória do Senhor e SER LUZ, VIDA, ALEGRIA e FÉ
à imagem e semelhança 

V DOMINGO QUARESMA (A)


https://drive.google.com/open?id=1fMRLhpuj27BziizuMcGyAeyy3flcExvS



28.03.2020 INFORMÇÕES ÚTEIS

OLÁ CARÍSSIMOS IRMÃOS E IRMÃS

Mais uma semana diferente (e tão 'igual' no espaço utilizado)! Diferente daquelas 'normais', porque o dia parece agora ter mais horas e  esses dias parece que nunca mais passam. A semana parece mais longa...
Não nos 'plantemos' diante da TV. Informados sim, dependentes não! Demasiado tempo em frente do ecrã, especialmente para estar 'a par' de todos os pormenores noticiosos de COVID-19, pode facilmente deprimir-nos! Coloquemos regras pessoais (e/ou familiares) para ver as notícias...Procurem-se outras visualizações (mesmo na TV), instrutivas ou lúdicas. A criatividade nunca foi tão útil e preciosa. Inventar modos e meios para nos mexermos e não nos agarrarmos ao sofá (ou à cama). 
Permitam-me repetir três frases que o Papa Francisco referiu- e que certamente quase todos escutastes esta sexta-feira, no 'silêncio ensurdecedor duma Praça de São Pedro apinhada de vazio -  e que nos podem servir de meditação (para agora e para o futuro, se a nossa memória não for muito curta):
«Avançamos, destemidos, pensando que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente. Agora nós, sentindo-nos em mar agitado, imploramos-Te: «Acorda, Senhor!»
«Ninguém se salva sozinho»
«Demo-nos conta de estar no mesmo barco, todos frágeis e desorientados mas ao mesmo tempo importantes e necessários: todos chamados a remar juntos, todos carecidos de mútuo encorajamento. E, neste barco, estamos todos» 
Unidos, na comunhão dolorosa e exigente, quero neste domingo implorar convosco e rezar por todos os que nestes dias vivem - por precaução - 'retirados' das suas famílias e que optaram por esse imenso 'sacrifício' para proteger e para continuar a sua missão. Inclino-me perante a sua coragem. Pensamos também em todas as famílias que já sofreram alguma perda em razão deste virus (penso de modo especial as milhares de famílias da Espanha e da Itália...e todos os outros), Convido-vos a dedicar-lhes uma prece e um pensamento.
Tudo isto para vos dizer:

1. Não havendo alterações significativas, as celebrações comunitárias da semana santa estão canceladas (incluindo os baptismos previstos para a Páscoa).


2. As acções e gestos previstos para o tempo Pascal - a Visita Pascal em São Bento e as Festas em honra de São Bento - previstas para o dia 19 de Abril - também estão canceladas.

3. Como se sabe, não se pode programar nada (nem acertar eventos ou celebrações) com rigor e certezas, vistos as alterações constantes que enfrentamos. Quem tiver alguma celebração agendada vá estando atento!

4. Eucaristia dominical (on line) - se for possível

DOMINGO, DIA 29,
às  18h
(sem participação da assembleia)
quem quiser pode seguir  - se não houver problemas de transmissão - em

facebook: luis ferreira

sexta-feira, 27 de março de 2020

INSTRUMENTOS ÚTEIS PARA APROVEITAR O TEMPO (em casa) - II

Para não nos agarrarmos demasiado ao noticialismo do Covid-19 eis algumas sugestões de leitura e visualização. Creio mais animadores e, quem sabe, iluminadores de coisas que não sabiamos tão bem.
espero que seja do vosso agrado (também serve para ver em família, com os mais piquenos, e quem tem estas tv's mais modernas com youtube...mais fácil é).
Há um sem número de possibilidades.
Permito-me sugerir:

- dois interessantes documentários sobre Lúcia de Jesus (a Irmã Lúcia)


https://www.youtube.com/watch?v=jGqMVpsEdYk

https://www.youtube.com/watch?v=GQf2IaPF9V4

sábado, 21 de março de 2020

IV DOMINGO QUARESMA A


PROPOSTA CELEBRAÇÃO IV DOMINGO QUARESMA (Ano A)

PARA UMA EXPERIÊNCIA DE ORAÇÃO DOMINICAL INDIVIDUAL (OU EM FAMÍLIA)
- um encontro pessoal com Jesus na oração - 

UMA PROPOSTA AOS CRISTÃOS DAS COMUNIDADES


Não há Domingo sem missa. Esta não tem a participação física da Assembleia - que tanta falta nos faz a todos, pois estar juntos, olhando olhos nos olhos, contemplado com o nosso rosto o sacramento e 'vendo' a Palavra feita carne -  é tão bom!
Mas, se nesta situação assim somos impelidos e que é nosso dever cumprir, então que se tenha, pelo menos, nos sacerdotes e em todos os cristãos que desejam, meios para manter-nos em sintonia, em participação e comunhão 'espiritual'. Como já se disse a fé não esmorece, encontra é 'novos meios' temporários para se celebrar. Que este jejum eucarístico nos faça sentir mais o desejo futuro de nos abeirarmos do Senhor na Eucaristia.

- Se não houver contratempos este domingo celebrei a Eucaristia na Igreja de Mira de Aire (que - neste mesmo espírito - é também a Igreja de Alvados e São Bento) com o sentido estarmos todos unidos. 
. Se funcionar, será via facebook - https://www.facebook.com/leaosadio. 
. A Missa será depois reproduzida no MEO KANAL (tecla verde), canal 514886

-  E desde já fica a informação que no dia 25 de Março - solenidade da Anunciação do Senhor - podemos seguir todos em vários meios visuais (creio que também na TV) o Rosário da Basílica de Fátima e a renovação da Consagração ao Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria.

-------------------
                               I
Este quarto domingo da Quaresma também é chamado
de Domingo Laetare, porque 
começa com a passagem de Isaías:
“Alegrai-vos (Laetare, em latim) com Jerusalém vós todos que a amais”
Em meados do caminho quaresmal de penitência,
a Igreja convid-nos a fazer uma pausa
para ser capaz de discernir o objetivo: a alegria perfeita da Páscoa,
e saborear uma antecipação.

Após o sinal da cruz e um momento de reconhecimento das faltas (exame de consciência)

1. ler o texto do Evangelho Dominical Jo 9, 1-42
* Eis um boa ocasião para - se for esse o caso - agarrar na Bíblia (tirar assim o pó) e abrir no texto evangélico deste domingo.  
(para quem não tem muita prática, basta ir ao índice da Bíblia, procurar na área do Novo Testamento, João - ou Jo - e ir procurando nos números maiores - capítulos - o 4, e aí ler a partir dos números mais pequenos - versículos - 5 até 42.) *

2.  ouvir esta meditação: (seleccionar o texto a seguir e, com o rato, botão lado direito, fazer clik onde diz 'ir para...')

https://bit.ly/2QCzVrX

3. escutar este belo cântico sobre o tema:  (em cima do texto seguinte, com o rato, botão lado direito, fazer clik onde diz 'ir para...')

- https://bit.ly/2QQn1a7


4. Proclamar o Credo da fé (simbolo dos apóstolos):


Creio em Deus Pai, todo-poderoso, Criador do céu e da terra;
E em Jesus Cristo, um só seu Filho (seu único Filho), Nosso Senhor,
Que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu de Maria Virgem;
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado;
Desceu aos infernos, ressuscitou ao terceiro dia;
Subiu ao Céu, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso,
De onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo,
Na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos,
Na remissão dos pecados,
Na ressurreição da carne,
Na vida eterna.

Amém.


5. Fazer as Preces que se seguem respondendo: Senhor, dá-nos a luz da fé! 


Ao nosso Deus, que vê o coração, Pai das Luzes e do Amor, oremos cheios de confiança e imploremos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que a Igreja seja, hoje e sempre, portadora fiel da Luz de Cristo, que vindo a este mundo, ilumina todo o homem, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que aos governantes seja concedida a luz da sabedoria, para conduzirem os povos nos caminhos da paz, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que os batizados ponham a sua confiança na verdade de Cristo e conservem sempre a liberdade de coração, para seguir Jesus, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que os cristãos se deixem guiar pela Palavra, como verdadeiro farol dos seus passos e luz dos seus caminhos, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que todos nós, presentes no meio do mundo, permaneçamos fiéis ao espírito do Evangelho, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> [acrescenta a tua intenção], nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!


Senhor Jesus, a luz do mundo, o Salvador do mundo, a esperança que não conhece a desilusão, tem piedade de nós e livra-nos do mal! A ti imploramos a vitória sobre o flagelo deste vírus que está a alastrar, a cura dos doentes, a proteção dos que estão sãos, o auxílio para quem presta cuidados de saúde. Ilumina o nosso coração com o teu amor.

5. Rezar o Pai Nosso

6. Conclusão com esta oração ou outra

Eu fico em casa, Senhor!
Eu fico em casa, Senhor!
E hoje dou-me conta de que, também isto,
Tu mo ensinaste,
permanecendo, em obediência ao Pai,
durante trinta anos na casa de Nazaré,
na expetativa da grande missão.
Eu fico em casa, Senhor!
E na oficina de José,
teu e meu guardião,
aprendo a trabalhar, a obedecer,
para aplainar as arestas da minha vida,
e preparar uma obra de arte para ti.
Eu fico em casa, Senhor!
E sei que não estou só,
porque Maria, como toda a mãe,
está lá a tratar dos assuntos
e a preparar o almoço para nós,
todos família de Deus.
Eu fico em casa, Senhor!
E responsavelmente o faço para o meu bem,
pela saúde da minha cidade, dos meus entes queridos,
e pelo bem do meu irmão,
que Tu me colocaste ao lado,
pedindo-me para o guardar
no jardim da vida.
Eu fico em casa, Senhor!
E, no silêncio de Nazaré,
comprometo-me a rezar, a ler,
a estudar, a meditar,
a ser útil com pequenos trabalhos,
para tornar mais bela e acolhedora a nossa casa.
Eu fico em casa, Senhor!
E de manhã te agradeço
pelo novo dia que me dás,
procurando não estraga-lo,
e acolhendo com admiração,
como um presente e uma surpresa de Páscoa.
Eu fico em casa, Senhor!
E ao meio dia receberei de novo
a saudação do anjo,
far-me-ei servo por amor,
em comunhão contigo,
que te fizeste carne para habitar no meio de nós;
e, cansado pela viagem,
sedento te encontrarei
junto ao poço de Jacob,
e sequioso de amor na cruz.
Eu fico em casa, Senhor!
E se ao anoitecer me tomar
um pouco de melancolia,
te invocarei como os discípulos de Emaús:
«Fica connosco, porque anoitece,
e o dia já declina».
Eu fico em casa, Senhor!
E na noite,
em comunhão orante com os muitos doentes
e as pessoas sós,
esperarei a aurora
para cantar de novo a tua misericórdia,
e dizer a todos que,
na tempestade,
Tu foste o meu refúgio.
Eu fico em casa, Senhor!
E não me sinto só e abandonado,
porque Tu me disseste:
«Eu estou convosco todos os dias».
Sim, e sobretudo nestes dias
de perturbação, ó Senhor,
nos quais, se a minha presença não for necessária,
chegarei a todos unicamente com as asas da oração.
Ámen.

D. Giuseppe Giudice, bispo de Nocera Inferiore-Sarno

- Bendigamos ao Senhor
- Graças a Deus

----------

II
(SEGUE UMA VERSÃO PARA REALIZAR EM FAMÍLIA)

LITURGIA FAMILIAR


O Quarto Domingo da Quaresma está centrado na temática da luz. Jesus Cristo mostra-nos como se pode erradicar as nossas ‘cegueiras’ para descobrir a luminosidade e a beleza da relação com Deus. Ele ilumina todas as obscuridades da vida e leva o ser humano a viver como filho da luz.

[proposta elaborada a partir da ferramenta ‘Ter uma só mensagem’ e dos subsídios publicados pelo padre Amaro Gonçalo Lopes]

SAUDAÇÃO
PAI OU MÃE: Hoje, somos conduzidos à fonte luminosa, que é Jesus Cristo, Luz do mundo! É Ele, ‘o dom de Deus’, que vem a este mundo, para nos abrir os olhos e nos oferecer a visão nova da fé. Recebemos esta luz, no dia do Batismo, por isso mesmo chamado também «sacramento da iluminação». Ao iniciar esta oração, recordamos que somos batizados: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amen.

PEDIMOS PERDÃO
FILHO/A: Senhor Jesus, abriste os olhos do cego de nascença e revelaste-te como Salvador; nós, como cegos que somos, estendemos, para ti, as nossas mãos e suplicamos: Vê as sombras que cobrem a nossa mente e ilumina-nos. Vê como cai a noite sobre nós e salva-nos. Envia-nos o teu Espírito Santo para que nos abra os olhos do coração e te reconheçamos como Salvador. TODOS: Amen.

ACOLHEMOS A PALAVRA
[Ver/ouvir a primeira parte do vídeo/audio]

Leitura do Santo Evangelho segundo São João [aqui está um resumo; o texto completo pode ser lido pela Bíblia, no evangelho segundo João, capítulo 9, versículos 1 a 41]
Naquele tempo, Jesus encontrou um cego de nascença. Cuspiu em terra, fez com a saliva um pouco de lodo e ungiu os olhos do cego. Depois disse-lhe: «Vai lavar-te à piscina de Siloé»; Siloé quer dizer «Enviado»Entretanto, perguntavam os vizinhos e os que o viam a mendigar: «Não é este o que costumava estar sentado a pedir esmola?». Uns diziam: «É ele». Outros afirmavam: «Não é. É parecido com ele». Mas ele próprio dizia: «Sou eu». Levaram aos fariseus o que tinha sido cego. Era sábado esse dia em que Jesus lhe tinha aberto os olhos. Por isso, os fariseus perguntaram ao homem como tinha recuperado a vista. Ele declarou-lhes: «Jesus pôs-me lodo nos olhos; depois fui lavar-me e agora vejo». Diziam alguns dos fariseus: «Esse homem não vem de Deus, porque não guarda o sábado». Outros observavam: «Como pode um pecador fazer tais milagres?». Perguntaram então novamente ao cego: «Tu que dizes d’Aquele que te deu a vista?». O homem respondeu: «É um profeta». Replicaram-lhe então eles: «Tu nasceste inteiramente em pecado e pretendes ensinar-nos?». E expulsaram-no. Jesus soube que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: «Tu acreditas no Filho do homem?». Ele respondeu-Lhe: «Quem é, Senhor, para que eu acredite n’Ele?». Disse-lhe Jesus: «Já O viste: é quem está a falar contigo». O homem prostrou-se diante de Jesus e exclamou: «Eu creio, Senhor».

[Ver/ouvir a segunda parte do vídeo/audio]

PARTILHAMOS A PALAVRA
Os dias que vivemos são difíceis. Mesmo com sol, parecem dias tristes. Sentimo-nos perdidos, na escuridão do medo. Como o cego, também não vemos. Não vemos esse vírus ameaçador invisível aos nossos olhos.
Este é o tempo de ver, o tempo de ter um olhar contemplativo sobre o mundo e sobre os outros à luz do amor divino. À luz da fé, vemos que Jesus nos quer curar, mas pede a nossa colaboração. À luz da fé, vemos que já não basta olhar para as nossas razões e direitos. Precisamos do olhar dos outros, um novo modo de olhar, para ver melhor.
Nestes tempos obscuros, a luz da fé não elimina toda a nossa dor. Mas ilumina a nossa esperança. Sem participar da eucaristia, continuamos a ter o alimento da Palavra à nossa mão, na Bíblia. A palavra de Deus seja o farol dos nossos passos e a luz dos nossos caminhos.
Temos os olhos abertos e vivemos de modo novo ou padecemos de vista cansada, de vistas curtas, de miopia ou de astigmatismo vital?

PRECES
Ao nosso Deus, que vê o coração, Pai das Luzes e do Amor, oremos cheios de confiança e imploremos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que a Igreja seja, hoje e sempre, portadora fiel da Luz de Cristo, que vindo a este mundo, ilumina todo o homem, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que aos governantes seja concedida a luz da sabedoria, para conduzirem os povos nos caminhos da paz, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que os batizados ponham a sua confiança na verdade de Cristo e conservem sempre a liberdade de coração, para seguir Jesus, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que os cristãos se deixem guiar pela Palavra, como verdadeiro farol dos seus passos e luz dos seus caminhos, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> Para que todos nós, presentes no meio do mundo, permaneçamos fiéis ao espírito do Evangelho, nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!
> [acrescenta a tua intenção], nós te pedimos: Senhor, dá-nos a luz da fé!

Senhor Jesus, a luz do mundo, o Salvador do mundo, a esperança que não conhece a desilusão, tem piedade de nós e livra-nos do mal! A ti imploramos a vitória sobre o flagelo deste vírus que está a alastrar, a cura dos doentes, a proteção dos que estão sãos, o auxílio para quem presta cuidados de saúde. Ilumina o nosso coração com o teu amor.

COMPROMISSO
Nesta semana, procuremos ver o que nos edifica e faz crescer como cristãos. Não nos percamos, na sucessão de imagens. Também é necessário fechar os olhos para ver melhor! É boa ideia selecionar o que vale a pena ver, fazer uma escolha do que assistir na internet ou na televisão.
Alguns exemplos: na quarta, às 15h, na RTP2, há catequese; em várias plataformas, acontecem transmissões da eucaristia; ao domingo, podemos alimentar a oração com a participação (à distância) na missa; bons filmes para ver juntos. O que vamos ver em família esta semana?

Bendigamos o Senhor! TODOS: Graças a Deus!


Bom e santo domingo para todos e cada um!

IV DOMINGO QUARESMA A - Reflexão a partir da Palavra

Somos como cegos à procura da luz
O protagonista da narrativa do quarto domingo da Quaresma (João 9,1-41) é o último da cidade, que nunca viu o sol nem o rosto da sua mãe. Tão pobre, que nunca teve nada. E Jesus detém-se por ele, sem que lhe tenha pedido nada. Faz um pouco de lama com pó e saliva, como argila de uma mínima criação nova, e estende-a sobre aquelas pálpebras que cobrem a escuridão.
Nesta narrativa de pó, saliva, luz, dedo, Jesus é Deus que se contamina com o ser humano, e é também o ser humano que se contagia de Céu; temos um olhar mestiço, com uma parte terrena e uma parte celeste. Cada criança que nasce «vem à luz», cada pessoa é uma mistura de Terra e de Céu, de pó e luz divina. «Todos nós nascemos a metade, e toda a ida serve-nos para nascer do todo» (M. Zambrano).
A nossa vida é um amanhecer contínuo. Deus amanhece em nós. Jesus é o guardião das nossas auroras, o guardião da plenitude de vida, e segui-lo é renascer; ter fé é adquirir «uma visão nova das coisas» (G. Vannucci). O cego é dado à luz, nasce de novo com os seus olhos novos, narrados por uma pergunta repetida sete vezes: como te foram abertos os olhos? Todos querem saber “como” apoderar-se do segredo de olhos invadidos pela luz, todos com olhos ainda por nascer.
A pergunta premente (como se abrem os olhos?) indica um desejo de mais luz que a todos habita; desejo vital, mas que não amadurece, um rebento logo sufocado pela poeira estéril da ideologia da instituição. O homem nascido cego passa de miraculado a imputado. Aos fariseus não interessa a pessoa, mas o caso do manual; não interessa a vida que voltou a esplender naqueles olhos, mas a “sã” doutrina. E levantam um processo por heresia, porque foi curado ao sábado, e ao sábado não se pode, é pecado…
Mas que religião é esta que não olha para o bem do ser humano, mas só para si mesma e para as suas regras? Para defender a doutrina negam a evidência, para defender a lei negam a vida. Sabem tudo das regras e morais e são analfabetos do ser humano. Em vez de usufruir da luz, preferiam que voltasse cego, e assim teriam eles razão, e não Jesus.
Dizem: Deus quer que ao sábado os cegos continuem cegos! Nada de milagres ao sábado! A glória de Deus é a observância dos preceitos. Metem Deus contra o ser humano, e é o pior que pode acontecer à nossa fé. Ao contrário, não, a glória de Deus é um mendigo que se ergue, um homem que regressa com a vida plena, «um homem finalmente promovido a homem» (P. Mazzolari). E o seu olhar luminoso, que passa e ilumina, alegra Deus.
Ermes Ronchi


sexta-feira, 20 de março de 2020

17.03.2020: INFORMAÇÕES VÁRIAS

OLÁ CARÍSSIMOS IRMÃOS E IRMÃS

O nosso isolamento social não elimina o nossa união espiritual. Há laços que se podem fortalecer, mesmo no meio das angústias e incertezas que estes dias nos estão a 'oferecer'. 
Não, a fé não foi de férias, e se as nossas 'casas físicas' da fé estão fechadas, há outras que se podem abrir. Além do mais devemos, como Igreja e cristãos, pensar mais longe (em todos os outros) e ajudar a que algum 'mal' não alastre. Todas a ilações de que a 'fé' tem medo são pouco sensatas, a fé não tem medo, deve sim ter o 'Temor', que é o respeito profundo tanto por aquilo que nos surpreende como a aceitação de que ela (a fé) é sempre frágil. 
A fé não vive alienada do mundo, vive no meio da humanidade, ela é do 'eu' e do 'tu'!
Por isso, ela pode ser sempre o nosso ânimo maior e não tem de desvanecer quando - por coisas invisíveis e bem reais e perniciosas - não se pode ir o Templo. O povo de Deus passou centenas de anos no cativeiro - sem puder rezar em público e sem as celebrações do Templo - e não foi por isso que deixou de permanecer enraizado em Deus, até voltar a Jerusalém. Tudo isso porque tinha quem o ia conduzindo, com o alento e a esperança de 'novos dias', em que haveria de surgir a alegria.
É por isso que, nesta etapa que estamos vivendo, não me parece de todo o tempo propício para denegrir, mas sim construir, para criar desilusão, mas sim ânimo, para fomentar quezílias, mas sim levantar o coração!
Unidos somos sempre mais fortes, também na fé!
Afinal somos nós, todos e cada um, também o santuário onde Deus habita! 
Tudo isto para vos dizer:

1. Catequese: aos pais e catequistas (passando a palavra uns aos outros) envio um novo modo de viver a dinâmica da Quaresma na catequese, em casa. Vejam em:

http://bit.ly/3b216nQ

2. Preparações para Crisma e gestos baptismais para os catecúmenos (o que iriam ser baptizados na Páscoa): cancelados

3. Eucaristia dominical na Igreja de Mira de Aire (on line) - se for possível

DOMINGO, DIA 22,
às  18h
(sem participação da assembleia)
quem quiser pode seguir  em

facebook: luis ferreira

quinta-feira, 19 de março de 2020

ORAÇÃO DO ROSÁRIO, NO DIA DE SÃO JOSÉ


Oração do Rosário hoje unidos ao Papa
hoje, 19 de Março, às 21h

Ontem, na audiência geral transmitida pelos meios de comunicação, o Papa Francisco fez seu o apelo dos bispos italianos para um momento de oração juntos, hoje, às 21 horas, nesta emergência sanitária que estamos a viver. Eis o seu convite dirigido aos italianos, mas igualmente válido para nós:
“Cada família, cada fiel, cada comunidade religiosa: todos unidos espiritualmente, às 21 horas, na oração do rosário, com os Mistérios da luz. Eu acompanho-vos daqui. Ao rosto luminoso e transfigurado de Jesus Cristo e ao seu Coração nos conduz Maria, Mãe de Deus, saúde dos enfermos, à qual nos dirigimos com a oração do Rosário, sob o olhar amoroso de São José, amparo da Sagrada Família e das nossas famílias. E pedimos-lhe que proteja de modo especial a nossa família, as nossas famílias, em particular os doentes e as pessoas que estão a cuidar dos doentes: os médicos, os enfermeiros, as enfermeiras, os voluntários, que arriscam a vida neste serviço”.
Também o bispo de Leiria-Fátima, Cardeal D. António Marto, se unirá nesta intenção com a oração do rosário na casa episcopal. A todos os fiéis recomendamos que se associem a este mesmo ato a partir das suas próprias casas.
-----
Junto se anexa um esquema (adaptável a cada um)

OS MISTÉRIOS DA LUZ (Luminosos)


1. “Jesus veio então da Galiléia para o rio Jordão, a fim de se encontrar com João e ser batizado por ele” . No primeiro Mistério da Luz contemplamos o Batismo do Senhor. Jesus, Salvador do mundo, solidário com todos os homens pecadores, entra na fila dos que vão receber o batismo penitencial de São João Batista, não porque precisasse de purificação, mas para indicar que assumia os pecados de todos para expiá-los. “...: Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo”. É Ele quem batiza no Espírito Santo.

Neste Pai-Nosso e nestas avé-marias rezamos pelo dom da fé, como ela nos foi dada e como ela vem conduzindo a nossa vida. Agradecemos aos nossos pais e avós esta dádiva tão preciosa. Sendo invisível aos nossos olhos ela pode dar rumo certo à nossa existência.

Pai-Nosso
10 Avé-Marias
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amen

2. “No terceiro dia, houve um casamento em Cana da Galiléia, e a Mãe de Jesus estava lá. Também Jesus e seus discípulos foram convidados para o casamento” . No segundo Mistério da Luz contemplamos Jesus nas Bodas de Caná. Neste contexto Jesus inicia os seus sinais transformando a água em vinho a partir da intervenção de Sua Mãe. Desta maneira Ele abre à Fé o coração dos seus discípulos. Maria, a mais perfeita discípula de Jesus, indica a todos a estrada do cumprimento da Palavra do seu Filho: “...: Fazei tudo o que Ele vos disser!”.

Neste Pai-Nosso e nestas avé-marias pedimos uma alegria profunda e genuína, que seja fruto da comunhão fraterna e da amizade que Jesus nos ensinou. Há ‘milagres’ que só a confiança consegue.

Pai-Nosso
10 Avé-Marias
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amen


3. “Depois que João foi preso, Jesus veio para a Galiléia, proclamando a Boa Nova de Deus: ‘Completou-se o tempo, e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho’” . No terceiro Mistério da Luz contemplamos Jesus anunciando o Reino de Deus e convidando os homens à conversão. Jesus ilumina o mundo anunciando, proclamando, instaurando o Reino de Deus. Para fazer parte deste Reino é preciso converter-se a Deus, mudar de vida, arrepender-se dos pecados para receber o perdão que Jesus trouxe. É preciso CRER NO EVANGELHO, aderir à Boa Nova do Reino. Jesus ensinou: “...: Em verdade vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus”.

Neste Pai-Nosso e nestas avé-marias reconheçamos como é bom reconhecer que precisamos de renovar constantemente a nossa adesão à vontade de Deus. A conversão não é mágica, pede humildade, verdade e esforço para redescobrir quanto somos amados q quanto devemos amar.

Pai-Nosso
10 Avé-Marias
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amen


4. “Seis dias depois, Jesus levou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os fez subir a um lugar retirado, numa alta montanha. E foi transfigurado diante deles: seu rosto brilhou como o sol e suas roupas ficaram brancas como a luz”. No quarto Mistério da Luz contemplamos a Transfiguração do Senhor. É Mistério de Luz por excelência, pois nele Jesus manifesta no seu rosto a glória da sua Divindade, dispondo os Apóstolos para viverem o drama da Paixão. Referindo-se ao Filho, o Pai Celeste dEle dá testemunho, dizendo: “...:Este é o meu Filho amado, nEle está meu pleno agrado: escutai-o”.

Neste Pai-Nosso e nestas avé-marias invocamos o Senhor, para que nos indique sempre o caminho do ‘céu’ e nos ensine a percorrer o caminho certo para lá chegar. Que a oração e a sua paixão dolorosa seja para toda humanidade, neste tempo difícil e ‘misterioso’, uma garantia da vitória do bem sobre o mal.

Pai-Nosso
10 Avé-Marias
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amen


5. “...:Tomai, comei, isto é o meu corpo (...) Bebei dele todos, pois este é o meu sangue da nova Aliança, que é derramado em favor de muitos, para remissão dos pecados”. No quinto Mistério da Luz contemplamos Jesus instituindo a Eucaristia. Trata-se do Memorial do Mistério Pascal. Sacramento do Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo e novo Sacrifício da Nova e Eterna Aliança. Jesus disse: “Quem consome a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia” .

Neste Pai-Nosso e nestas avé-marias pensemos nos nossos pais, pais…recomendemo-los a Deus Pai, cheio de ternura e misericórdia. Que eles sejam o rosto visível da presença do Senhor e que alimentem os seus filhos com o pão do amor e da doação.

Pai-Nosso
10 Avé-Marias
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amen

Três-Avé Marias
Pelas intenções do Santo Padre, pela paz e concórdia e pela coragem em todas as etapas da nossa vida

Salve-Rainha

DIA DO PAI 2020



sábado, 14 de março de 2020

SEMPRE...HOJE MAIS QUE NUNCA

A nossa oração sempre...hoje mais que nunca! Por todos os que saem das suas casas e se expõem pelo cuidado dos mais frágeis... A comunhão, de coração, com todos esses...


PROPOSTA CELEBRAÇÃO III DOMINGO QUARESMA (Ano)

PARA UMA EXPERIÊNCIA DE ORAÇÃO DOMINICAL INDIVIDUAL (OU EM FAMÍLIA)
- um encontro pessoal com Jesus na oração - 

UMA PROPOSTA AOS CRISTÃOS DAS COMUNIDADES


Deste modo, aproveitaremos este tempo especial da quarentena forçada, como tempo favorável para uma Quaresma reforçada e, portanto, para uma Páscoa verdadeiramente de renascimento e de vida nova.

"Talvez a experiência deste mal comum nos revele a importância do bem comum, hoje tão esquecido e escarnecido. Desta emergência pode, de facto, extrair-se uma bela lição de solidariedade: “A tua vida é também a minha vida, e eu próprio, com as minhas forças, colaboro na construção do bem comum”.
Por isso mesmo, evitemos abrir brechas na barragem de contenção comum do coronavírus, com escolhas irresponsáveis, e obedeçamos às disposições restritivas, comportando-nos com cautela e responsabilidade, pensando cada um para si mesmo: “ao proteger-me, protejo os mais fracos, os mais expostos: idosos, adultos frágeis, crianças doentes”. As restrições, obrigações e recomendações práticas, que a Direção-Geral da Saúde, ou outras entidades do Estado, atentas ao bem comum, nos fazem, são mesmo para ser assumidas e levadas a sério. 
Não deixemos, porém, que a pandemia deste vírus nos arraste para as trevas do medo, de modo que o necessário distanciamento físico não nos afaste ainda mais dos outros, transformando o próximo, o irmão, o outro, em “inimigo” ou “concorrente” do mercado ou do super-mercado. Em vez do medo, esta pandemia desperte em todos nós o santo temor de Deus, isto é, o sentido da minha responsabilidade, pois tenho de responder diante de Deus pelo que faço da minha vida e da vida dos meus irmãos. "(P. Gonçalo)

É esse o sentido de qualquer cancelamento, mesmo com sacrifício pessoal e comunitário, de muitas iniciativas que fazem parte do programa habitual das nossas vidas e até do programa espiritual da Quaresma 

-------------------

Após o sinal da cruz e um momento de reconhecimento das faltas (exame de consciência)

1. ler o texto do Evangelho Dominical - Jo 4, 5-42
* Eis um boa ocasião para - se for esse o caso - agarrar na Bíblia (tirar assim o pó) e abrir no texto evangélico deste domingo.  
(para quem não tem muita prática, basta ir ao índice da Bíblia, procurar na área do Novo Testamento, João - ou Jo - e ir procurando nos números maiores - capítulos - o 4, e aí ler a partir dos números mais pequenos - versículos - 5 até 42.) *

2.  ouvir esta meditação: (seleccionar o texto a seguir e, com o rato, botão lado direito, fazer clik onde diz 'ir para...')

http://bit.ly/2wYPF1G

3. escutar este belo cântico sobre o tema:  (em cima do texto seguinte, com o rato, botão lado direito, fazer clik onde diz 'ir para...')

https://www.youtube.com/watch?v=yVBIE8HuWHs

4. Proclamar o Credo da fé (simbolo dos apóstolos):


Creio em Deus Pai, todo-poderoso, Criador do céu e da terra;
E em Jesus Cristo, um só seu Filho (seu único Filho), Nosso Senhor,
Que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu de Maria Virgem;
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado;
Desceu aos infernos, ressuscitou ao terceiro dia;
Subiu ao Céu, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso,
De onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo,
Na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos,
Na remissão dos pecados,
Na ressurreição da carne,
Na vida eterna.

Amém.


5. Fazer as preces que se seguem respondendo 'ouvi-nos, Senhor'.

Reforça a tua Igreja. R/.
Ilumina o nosso papa Francisco. R/.
Consola o nosso bispo N. R/.
Reforça a nossa nação portuguesa, que está em provação. R/.
Cura os doentes. R/.
Consola e sustenta as famílias nas quais há doentes. R/.
Sê o apoio dos idosos que estão sós. R/.
Suscita a caridade especialmente para quem não tem ninguém. R/.
Faz-te presente junto dos reclusos. R/.
Guarda todos os povos na paz. R/.
Afasta toda a doença e desgraça. R/.
Socorre os pobres. R/.
Conforta os órfãos e as viúvas. R/.
Visita os agonizantes. R/.
Concede a paz aos defuntos. R/.


5. Rezar o Pai Nosso

6. Conclusão com a oração a Maria (do Papa Francisco)

Ó Maria, 

Tu resplandeces sempre no nosso caminho
como sinal de salvação e de esperança.
Confiamo-nos a Ti, Saúde dos Enfermos,
que junto da Cruz foste associada à dor de Jesus,
mantendo firme a tua fé.

Tu, Salvação do Povo de Deus,
sabes bem do que mais precisamos
e estamos seguros de que proverás
para que, tal como em Caná da Galileia,
possa voltar a alegria e a festa
depois deste momento de provação.

Ajuda-nos, Mãe do Divino Amor,
a conformar-nos com a vontade do Pai
e a fazer aquilo que Jesus nos disser,

Ele que tomou sobre Si os nossos sofrimentos
e carregou as nossas dores,
para nos conduzir, por meio da Cruz,
à glória da Ressurreição.
Ámen.


À vossa proteção nos acolhemos, 
Santa Mãe de Deus.
Não desprezeis as nossas súplicas, 
nós que estamos na provação,
e livrai-nos de todos os perigos, 
ó Virgem gloriosa e bendita!
----------


Bom e santo domingo para todos e cada um!