DESTAQUE

INFORMAÇÕES PAROQUIAIS - Retoma de celebrações e acções suspensas

RETOMAMOS O NOSSO CAMINHO COM A NORMALIDADE POSSÍVEL «Nesta hora de ação de graças a Deus, queremos também exprimir o nosso reconhecimento a...

sábado, 22 de dezembro de 2018

IV DOMINGO ADVENTO C - texto de reflexão


Eis que Ele está para chegar...
Eis que se aproxima a grande noite. A noite que une o Céu e a Terra. A maior de todas as noites. 

Eis que está para chegar a noite do Altíssimo revelada no Seu mais pequeno e frágil menino. Eis que está para chegar o Todo Poderoso num dos locais mais inseguros e sem condições algumas. 

Eis que Ele está para chegar sem manias, nem aparatos. Eis que Ele está para vir...

E, por isso, mais do que nunca, temos de estar atentos. Já não nos é pedido que estejamos preparados. Sim, porque isso já deveria ter sido feito. Agora temos é de estar atentos, porque Ele virá. Ele virá e poderemos não reconhecê-Lo na sua grandiosidade sempre revelada na simplicidade. Ele virá e poderemos não reconhecê-Lo nas surpresas da nossa vida. 
Deus está para chegar, mas tal como no Seu nascimento biológico, não chegará como "um raio que nos cai em cima cheio de poder e estrondo", nem virá para impor uma monarquia celestial. Virá, isso sim, para dar nome ao Reino do Seu Pai. Virá, isso sim, para dar nome ao Reino dos Céus. Virá para iniciar esse mesmo reino aqui com o Seu amor e ficar assim acessível a todos e a todas que Lhe quiserem aceder. 

O Immanouel está mesmo aí e não virá em nenhum presente caro, não se revelará em nenhuma posta de bacalhau e muito menos aparecerá naquela garrafa de vinho que tanto apreciamos (permitam-me a brincadeira, a não ser que exageremos na bebida é claro). O Deus menino está para chegar e será presente na forma como nós nos fizermos presença para o outro. O "Deus connosco" está para chegar e será presente na forma como nos reconhecermos humildes. O menino Jesus está para chegar e será presente na forma como nos deixarmos que Ele seja presença em nós e transforme assim a nossa vida. Não como que pura magia, mas como uma certeza que nos convide a dizer-Lhe "Sim" em todos os dias da nossa vida. 

O Immanouel está para chegar e vem para ficar, se assim o bem entendermos. Vem para os que O esperaram. Ele vem para todos os que Lhe recebem de alma e coração, pois é aí que se faz presépio. É aí que o presépio se torna "lugar de encontro para todos".


IV DOMINGO ADVENTO C


quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

OLHA...VEM AÍ !

Não o vês? Vem aí! O Natal, o de Jesus!
Dez mandamentos para viver um Natal cristão

Sobre o Natal, cada um de nós tem muitas histórias para contar: presentes, árvore, presépio, luzes, pai natal, centros comerciais… Praças, casas, ruas e montras iluminadas atraem-nos e revelam a sua importância. Tantas são as atividades que se realizam, as preparações, as compras, que nos fazem esquecer o Festejado: Jesus Cristo, o Emanuel, o Deus connosco, que dividiu a história antes e depois dele.
Os intermináveis afazeres e as raízes pagãs da festividade que ocorria na data em que hoje se assinala o Natal ameaçam desde sempre o seu sentido, e por isso é importante recordar e esclarecer que ele significa o nascimento de Jesus. Por isso, desejando-nos Bom Natal, desejamo-nos “bom renascimento em Jesus”.
1. Prepara-te para o Natal
O tempo do Advento estimula-nos a prepararmo-nos para a chegada do Senhor através da vigilância, oração, conversão e caridade. Preparar-se para o Natal significa confessar-se, significa comprometer-se mais na oração e em realizar concretamente ações de caridade para com os mais necessitados.

2. Prepara o presépio
Deus não nasce nos corações fechados ou empedernidos. Deus bate e nunca entre se a Ele não se abre a porta desde o interior. É por isso que o verdadeiro presépio de Jesus está no teu coração quando é repleto de acolhimento, de perdão e de amor. «Prepara-me o presépio também na tua família porque, para mim, não existe um presépio mais belo do que uma família recolhida na oração, unida no amor, firme na fidelidade, onde cada um vê no outro o meu rosto.»

3. Honra a minha Mãe e o meu Pai
Maria e José são a minha família. Honra a minha Mãe que do alto da cruz te dei como mãe. Honra José que me protegeu e muito me ensinou, inclusive através do seu eloquente e orante silêncio. Recorda-te também que a verdadeira devoção que podes oferecer aos meus pais é a de honrares os teus pais e os teus avós, especialmente se são idosos.

4. Deixa-me um lugar livre à mesa
Sê generoso e não ocultes o teu medo e avareza por trás de preconceitos e falsas justificações. Aprende a ver-me em todo o faminto, sequioso, nu, recluso e doente. Por isso não adies o bem que podes fazer para aquele amanhã que nunca chegará e nunca fiques satisfeito se deixaste um irmão teu sem pão.

5. Vive o meu Natal com os teus
Detém a tua vida frenética e reordena a pirâmide das coisas de valor na tua vida. Não te deixes ficar escravo das coisas que perecem, do trabalho ou do supérfluo. Encontra tempo para brincar com os teus filhos, para falar com os teus, para sair juntamente com os teus. Eu nasci ao frio mas o calor da minha família salvou-me dele e do gelo que me rodeavam. Só o calor da família é capaz de aquecer-nos o coração.

6. Reconcilia-te com os outros
Sem perdão não há Natal. É inútil decorar a casa, o jardim e a rua com luzes e árvores de Natal se o rancor e os ressentimentos tomaram conta de ti. Liberta-te do ódio com o amor; do ressentimento com o perdão; da adversidade com a reconciliação; da hostilidade com a amabilidade. Ganha mais quem concede o perdão do que aquele que o recebe.

7. Não te envergonhes do meu Natal
Não nomeies o meu Natal em vão, transformando-o numa festa pagã. Aprende de João Batista a ser uma voz que grita no deserto do mundo para preparar a minha chegada. Não tenhas medo de dizer que esta festa se chama Natal, e não pai natal. Tirar o meu nome nunca é sinal de respeito pelos não crentes mas de vergonha dos crentes. Fala-se muito do meu nascimento mas sem me recordar. Fico sem palavras ao ver como se explora comercialmente ao máximo a minha festa sem me nomear. Ao menos tu não o faças.

8. Não dês presentes impuros ou inúteis
A cultura do materialismo e do comércio transformou o meu aniversário em infinitas embalagens de presentes de todo o género. Diante das mil e uma possibilidades, o presente tornou-se um peso para quem o oferece e para quem o recebe. Quantas coisas inúteis enchem as nossas casas e ocupam lugar durante anos. Aprende a dar bem os presentes, escolhendo a simplicidade e não a marca, a utilidade e não o preço. Liberta-te também do supérfluo e partilha os objetos que não usas com aqueles que deles precisam. «Algumas sugestões para um presente de Natal: ao teu inimigo, perdoa; ao teu adversário, oferece tolerância; a um amigo, oferece o teu coração; a um cliente, o teu serviço. A todos, dá a caridade. A cada criança, dá um bom exemplo. A ti mesmo, oferece respeito» (Oren Arnold).

9. Recorda-te de santificar a vigília e o dia do meu nascimento
Faz mal ver os crentes absorvidos e agitados na preparação do jantar da véspera de Natal e ao mesmo tempo desinteressados em encontrar o tempo para santificar a minha chegada ao mundo. Sinto que devo lembrar-lhes: «Marta, Marta, andas preocupada e agitada com muitas coisas, mas uma só é a coisa que é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada» (Lucas 10, 41-42).

10. Recorda-te dos idosos
O Natal é tempo de alegria mas é também tempo de memória, e a memória torna-se um chicote nas costas das pessoas que, após uma longa vida, se encontram sós, abandonadas e esquecidas até pelos próprios filhos. Empenha-te, por isso, em dar-lhes o calor que te deram em abundância quando dele precisavas. Oferece-lhes também um telefonema ou uma breve visita, será o presente mais belo que poderás dar-me.

Abre o teu coração à verdadeira luz: a luz que pode iluminar e transformar-nos, se nasce dentro de nós; a luz do bem que vence o mal; a luz do amor que supera o ódio; a luz da vida que derrota a morte.
Na realidade, estou a pedir-te para que transformes o meu Natal no teu natal para uma vida generosa e frutuosa.
É por isso que também Eu te desejo um Bom Natal!

Yoannis Lahzi Gaid 

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Papa Francisco - Mensagem de Natal

VEM AÍ A 'AZÁFAMA DOS PRESENTES' NATALÍCIOS! CONSIDERE ESTES!


6 presentes de Natal que não custam dinheiro,
mas que não são grátis

Permita-se dar presentes cujo valor não se mede em quantidade, mas em magnanimidade!

 1. Perdão
Quando perguntaram a Jesus quantas vezes devemos perdoar, Ele respondeu: “Setenta vezes sete”. Trata-se de uma expressão semítica para dizer “sempre”. No Pai-Nosso, a oração que o mesmo Jesus nos ensinou, Ele nos orienta a pedir perdão a Deus de modo unido ao perdão que nós próprios somos chamados a dar aos nossos irmãos:
“Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.
O perdão faz parte indissociável do modo como Deus nos ama – portanto, da maneira de amar que nós próprios somos exortados a aprender.
 2. Oração
Conversar com Deus sobre as pessoas e pedir as Suas bênçãos para a vida delas é um presente sublime e de valor eterno. Presentei-o com abundância, não apenas às pessoas mais próximas de você, mas também aos milhões e bilhões de pessoas que sofrem neste mundo todo tipo de provação e privação e que clamam por bálsamo dos Céus. 
 3. Tempo
Um dos nossos bens mais escassos é o tempo, de modo que presenteá-lo é uma preciosidade. Presentear tempo é oferecer dedicação e apreço, o que é particularmente estimado por quem vive uma situação de certa forma “oposta” à da nossa falta de tempo: os idosos, que dispõem de tempo, mas sentem falta de companhia.
 4. Humildade
Queremos que os outros valorizem os nossos esforços e gostamos de comunicar a todos o que nos acontece e o que fazemos – mesmo que seja “apenas” nas redes sociais, tentando aberta ou sutilmente granjear “curtidas” e afagos ao nosso ego. Que tal deixar as vaidades de lado e interessar-se mais por ouvir os outros? Além de ceder as atenções ao próximo, outra forma de presentear humildade é ceder também nas discussões cotidianas sobre os muitos assuntos em que se teima apenas por teimar.
 5. “Eu te amo”
Presenteie a mais bela frase que uma pessoa pode ouvir de outra, especialmente quando essa pessoa também ama você e certamente almeja a reciprocidade: seus pais, seus irmãos, seu cônjuge, seus filhos, seus netos, seus avós, seus familiares mais queridos, seus amigos mais próximos… Ame e diga que ama! Há bebês na família? Que “eu te amo” esteja entre as primeiras frases que eles aprendam a entender e a dizer!
 6. Jesus
Sim, dê Jesus de presente aos demais. Fale d’Ele, ainda que seja brevemente, mas com naturalidade, sem afetação nem exageros, sem imposições nem empáfia. Testemunhe que você O ama. Para isso, use poucas palavras e muitos testemunhos. Reze, visite Jesus na Eucaristia, receba-O na Santa Missa, confesse-se para se reconciliar com Ele. As pessoas percebem quando você de fato tem e transmite Jesus – não é preciso alardear.                          Imissio

domingo, 16 de dezembro de 2018

III DOMINGO ADVENTO - texto de reflexão


Aperto… é o que sinto no peito, quando há algo que anseio e demora a chegar!
Apertado… errante e perdido permanece o meu pensamento, quando anseia sem procurar, o que está pra chegar!
Apertar… tudo o que existe e toda a criatura que respira, quando anseio que me levem onde quero chegar!

Quero viver este aperto como se fosse o último ar que inalo na vida.
Sei que és Tu, Senhor, quem vem ao meu encontro para me rodear com factores infinitos de um amor,
que só pode resultar numa felicidade extrema.
Em Ti, por Ti e para Ti quero Ser O produto de uma experiência de oração e atitude que pode mudar o mundo…
Quero Ser: Balde simples e modesto:
«Tirareis água com alegria das fontes da salvação. 
e quero Ser Anunciador, porque o meu Baptismo me torna forte e capaz de com gestos…
«Agradecer ao Senhor, invocar o seu nome; anunciar aos povos a grandeza das suas obras, 
proclamar a todos que o seu nome é santo.»

Que na vida de cada um de nós haja a certeza de que:
«Por causa de ti, Ele enche-Se de júbilo, renova-te com o seu amor…»
porque depende de nós (de mim e de ti) a vitória da Paz, da Alegria, da Fé e da Esperança!
Não… «Não vos inquieteis com coisa alguma; mas em todas as circunstâncias, 
apresentai os vossos pedidos diante de Deus, com orações, súplicas e acções de graças.»
Então… ajoelha-te, inclina a cabeça, rasga o teu coração e deixa que os teus olhos falem!

Hoje, no 3º domingo do Advento, do Ano C, S. João Baptista, avalia o nosso coração!
Fita-nos nos olhos com palavras duras e desafios inatingíveis para quem tudo tem, para quem tudo sabe…
Mas, o que temos afinal? O que é nosso? O que sabemos? E as multidões perguntam: «Que devemos fazer?».
Se João Baptista anunciasse agora a vinda Daquele a quem: 
«eu(João)não sou digno de desatar as correias das suas sandálias»
Voltaria a falar do Amor… do viver em Amor, e como nos diz Santo Agostinho: “Ama e faz o quiseres!”

Habitamos o século XXI com toda a tecnologia e toda a rapidez que alguma vez já existiu!
Os dias transformam-se em segundos… O diálogo em escrita digital… o beijo num hieróglifo…
e a troca de olhares não é face a face: é de câmara para câmara!
Tão perto e tão longe uns dos outros! Partilhamos tudo sem oferecer Algo (o coração)!
Hoje, precisamos de ansiar que o Messias venha e «Tenha na mão a pá para limpar a sua eira!»
Mas que venha também«…recolher o trigo no seu celeiro…»

Com Jesus… Eu quero Ser Trigo! Juntos somos Mais fortes!
Neste Natal, há Algo mais que devemos fazer.
Não basta partilhar o casaco que já não vestimos. 
Não basta distribuir chocolates pelas crianças que precisam de um doce abraço.
Não basta fazer a viagem de 4 horas para visitar os avós que já não vemos há 1 ano.
Não basta!!! 
Ser trigo… Ser Baptizado com a água que é fogo e nos faz Ser alegria… é tudo isto e muito MAIS!

Neste Advento, nestas 2 semanas finais, vamos rezar!
Além de tudo o que podemos e devemos fazer pelos outros,
vamos falar com Deus sobre os que mais sofrem…

Jesus, Menino que vem para Ser Luz,
aquece o coração de todos os que se abandonaram na rua do vício e da solidão!
Jesus, Menino que vem para Ser Alegria,
coloca um sorriso em todas as crianças que sofrem pela indiferença dos pais, 
por uma doença, pela crueldade do mundo que criamos!
Jesus, Menino que vem para Ser Carinho
abraça aqueles que nos amam e tanto nos ensinaram, sem nada quererem em troca!

Vamos rezar uns pelos outros… 
Eu vou rezar por ti! E tu? Não sentes aquele aperto que te faz gritar: 
“Senhor, ajuda o meu irmão que sofre!”