DESTAQUE

INFORMAÇÕES PAROQUIAIS - Retoma de celebrações e acções suspensas

RETOMAMOS O NOSSO CAMINHO COM A NORMALIDADE POSSÍVEL «Nesta hora de ação de graças a Deus, queremos também exprimir o nosso reconhecimento a...

sábado, 19 de janeiro de 2019

CANÁ DA GALILEIA - uma pequena aldeia a descobrir com o coração!

O sinal de Kfar Kana /Caná


Na mais recente viagem a Israel com um grupo de paroquianos, visitei Kfar Kana, uma pequena aldeia, a noroeste de Nazaré, hoje habitada por cristãos e muçulmanos, lugar onde, segundo a tradição, Jesus realizou o milagre da transformação da água em vinho. Protegida por altos muros, a atual igreja remonta ao séc. XIX e conserva algumas réplicas das talhas de pedra usadas nos rituais de purificação dos judeus.
De visita ao espaço sagrado, onde ocorreu, por iniciativa de Maria, o inesperado e ditoso «sinal extraordinário» através do qual Jesus livrou o jovem casal da desonra, o pequeno grupo de casais demorou-se na celebração de Ação de Graças. Aquele lugar, sob a abóbada formada por arcos de pedra, era um convite irrecusável a dizer «obrigado, Senhor», porque a dada altura duas histórias encontraram-se como se fossem fruto do acaso e, de repente, como se a água se tornasse vinho, algo de extraordinário acontecera: ambas confluíram num projeto comum, selado mais tarde por mil declarações «para sempre, porque o nosso amor é como uma biblioteca por desvendar e as estações do ano terão o encanto de um amanhecer». Fez-se silêncio e, num silêncio prolongado, disseram de novo, olhos nos olhos, de mãos entrelaçadas, como se fosse a primeira vez, «sim, é para sempre».
Kfar Kana fica perto do grande mar da Galileia ou de Tiberíades, onde os discípulos por diversas vezes saborearam inesperadamente o vinho doce de Cannã. Naquele dia, naquele oásis, também os casais renovaram as promessas matrimoniais e beberam desse vinho cujo rótulo, não enganava, era mesmo das «bodas de Cannã». O milagre é sempre inesperado.
Entretanto, a caminho até Kfar Kana, de sul para norte, atravessámos desertos habitados por caravanas de nómadas rodeados de ovelhas resistentes, cabras esqueléticas e cães manhosos, ladeámos cidades estranhas, montes encimados por fortalezas incríveis, visitámos mercados em ruas sinuosas e estreitas, formados por bancadas de frutas e vegetais de mil cores, onde os odores do incenso se misturavam com os das especiarias. Pareceu-me que em cada banca havia ervas que curavam todas as doenças. Visitámos ainda praças onde, sob a sombra de uma serena palmeira, grupos de homens tomavam chá como se não houvesse amanhã, e, entre as cadeiras e as mesas de uma esplanada, crianças e vendedores ambulantes procuravam avidamente a bondade de um turista, sob o olhar atento de um polícia.
Naquele trajeto contemplámos a materialização de tantas possibilidades. Outros tons, outra linguagem, novos nomes, cenários diferentes. Vidas longínquas e, simultaneamente, tão próximas. Percebemos que a imagem do vinho que foi água é um desafio à transformação substancial dos elementos negativos em positivos. As declarações de outrora, o sim generoso da juventude, como um cadeado fechado numa ponte sobre o Sena, em Paris, enferrujam com o tempo, tornam-se obsoletas e até risíveis. O sim de uma união conhece as variações das paisagens de Israel. E na montanha russa que, por vezes, domina os nossos afetos, a capacidade de sobreviver às crises e transformar a água em vinho reside na possibilidade de deixar que Ele, de novo, se sente à nossa mesa e ordene.
E o inesperado milagre acontece. O sinal de Kfar Kana atualiza-se
P. Nélio Pita

SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS

'Ando farto de pensar e isto não me diz nada'!Então mais os cristãos (ele até disse cristões) não são todos iguais?'

Foi uma pergunta que escutei nestes dias quando falei a alguém que todos os anos a semana que antecede o dia 25 de Janeiro (Dia da Conversão de São Paulo) é dedicada à Oração pela Unidade dos Cristãos. Os dias são sempre entre 18 e 25. Chama-se 'Oitavário de oração pela unidade dos cristãos'.
Pois essa pessoa até teria razão, mas a realidade diz-nos que precisamos de rezar sempre e de novo para que em todos aqueles que dizem confiar em Jesus Cristo se realize o que Jesus pediu com tanta insistência na sua oração: 'que eles sejam um ó Pai, com Tu e eu somos um'!
Todos sabemos quanto é difícil a comunhão fraterna entre os vários cristãos que se agrupam em várias igrejas e movimentos (até nas nossas família há divergência e desentendimentos). Não quer dizer que esteja tudo mal (algumas coisas ainda estão, quando se faz finca pé, por vezes de ninharias, outras vezes de coisas um pouco mais sérias). Pronto é uma realidade  - alguma divisão entre os crentes cristãos - embora, e isso é um pouco verdade, entre nós - em Portugal - não se sente muito. Ainda bem, mas nós somos Igreja e por isso é nossa missão (e até dever) rezar pelos países onde há cristãos que se 'degladiam' em ideias e vivem de costas voltadas.
Cada ano nos é proposto um tema. Este ano a palavra, extraida da Bíblia, que nos deve fazer rezar, meditar e pensar é: 'Procurarás a justiça, nada além da justiça'. Não menosprezemos estes dias pois, quando não somos capazes de utilizar outros meios, temos sempre a 'reserva preciosa' da oração.
Quem quiser 'buscar' mais sobre o assunto procure um pequenino texto que explica como foi preparada este ano a semana:

https://www.oikoumene.org/pt/documentos/semana-de-oracao/2019

Começámos hoje. Individualmente reze-se para que a 'justiça' predomine - como cristãos - na senda da misericórdia e da responsabilidade comum de fazer o bem. A justiça divina tem rosto de misericórdia, mas não se alheia da justiça humana, quando ela for justa!

domingo, 13 de janeiro de 2019

ALVADOS CELEBRA EM FESTA A PADROEIRA- 2 de Fevereiro

Sempre no dia da Festa litúrgica da APRESENTAÇÃO DO SENHOR, 2 de Fevereiro, a comunidade paroquial de Alvados alarga-se a todos os que queiram visitar a terra e o espaço da Festa em honra da Padroeira NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO. O esmero, a dedicação e a alegria dos alvadenses neste dia são um convite a participar, seja nos eventos de convívio fraterno seja nas celebrações solenes em honra de Nossa Senhora. Presidirá à solene celebração eucarística o Sr. Dom Rui Valério, bispo das Forças Armadas e de Segurança.