DESTAQUE

INFORMAÇÕES PAROQUIAIS - Retoma de celebrações e acções suspensas

RETOMAMOS O NOSSO CAMINHO COM A NORMALIDADE POSSÍVEL «Nesta hora de ação de graças a Deus, queremos também exprimir o nosso reconhecimento a...

sábado, 16 de janeiro de 2021

II DOMINGO TEMPO COMUM B (2021)

 


QUARENTÕES '81 - Mira, terra da nossa gente!

aqui está uma parte do grupo

Mais uma 'fornada' de Quarentões, neste ano, um ano que começa sob o signo da instabilidade, da vulnerabilidade e do imprevisto! Todos confiamos que termine com melhores auspícios e serenidade, com perspectivas mais felizes.  A comunidade reitera a gratidão aos 'anteriores' quarentões (anteriores apenas pelo ano que já passou, porque a 'marca' sempre fica como um sinal que não se apaga, nunca envelhece). 

Mesmo com a realidade envolvente eis os quarentões '81 a explanar toda a criatividade para manter as incontornáveis 'Janeiras da Mira'. As multiformes maneiras de envolver os mirenses (e não só)  revelam, desde já, um espírito 'inventivo' (utilizando ferramentas moderníssimas) na vontade de 'unir' os mirenses e visitantes, ainda que 'virtualmente'.

Não fora o confinamento, que devemos cumprir pelo bem de todos, e os prognósticos eram bem favoráveis a mais um acontecimento belo na noite mirense. Este ano seria o dia 23 de Janeiro, que mesmo assim manterá sempre o espírito, pois esse certamente não se apagará. 

Há os já 'famosos' Kits disponíveis nos locais habituais, as apresentações digitais permitem saborear um pouquinho do evento, as dinâmicas inspiradoras e a divulgação não deixam dúvidas sobre o empenho colocado neste acontecimento..

Estão mesmo a acontecer 'Janeiras'! Recolhidos, mas não tolhidos! Não offline, mas sim online! Vamos estando atentos à sua página do facebook, onde tem havido agradáveis surpresas:

QUARENTÕES '81

Que seja um ano, vivido com alegria, envolvimento e empenho...respeitando as regras, mesmo quando isso signifique não realizar tudo o que gostaríamos! 'Estamos todos, convosco, no mesmo barco'! 







II DOMINGO DO TEMPO COMUM B - ORAÇÃO EM FAMÍLIA


Olá,

Agora que estamos em novo confinamento, não é demais lembrar o dever que temos de cuidar ainda mais uns dos outros. Nas nossas terras de Alvados, Mira de Aire e São Bento, procuremos saber se alguém precisa de nós para algo de mais necessário - especialmente façamos por descobrir os que vivem sós e com justos receios -  (quem sabe se podemos fazer alguma compra, ir ao centro de saúde, ir à farmácia, pagar alguma despesa...). Estejamos atentos, para ver há alguém que não vemos há tempo demais e procuremos saber o que se passa com essa pessoa, com essa família: pode ser uma doença, luto, desânimo, desespero? Ofereçamos ajuda, até mesmo antes que no-la peçam. Também a proximidade e colaboração na comunidade serão certamente sinais claros de que não queremos 'deixar ninguém para trás'. Telefonemos mais uns aos outros. Comuniquemos mais entre nós. Partilhemos, sem vergonha, dificuldades e disponibilidades. Sejamos uma comunidade fraterna. Se todos cuidarmos uns dos outros, quando terminar a pandemia muitos voltarão à vida comunitária, porque alguém se lembrou deles, quando não puderam ou não quiserem vir. Como disse o Papa Francisco no início deste ano: este é o tempo mais evidente para cuidarmos uns dos outros.

Com a pandemia, percebemos mais claramente
"que talvez a primeira catequese
seja a que é feita em casa, pelos pais, avós, tios, irmãos.
Temos a oração da Eucaristia,
mas há também a oração da manhã, da noite,
antes das refeições e o terço, entre outras.
É um desafio a redescobrir a oração doméstica,
a promover uma autêntica espiritualidade familiar
e levar a sério a Liturgia da Palavra em casa.
São João Crisóstomo, dirigindo-se aos pais de família, dizia:

«Com a vossa mulher e os filhos
repitam juntos a Palavra escutada na Igreja.
Voltem a casa e preparem duas mesas,
uma com os pratos para a comida,
a outra com os pratos da Escritura (…),
façam da vossa casa uma Igreja»
------------------------------------------------------------------------------------------------
PROPOSTA PARA 10 MINUTOS DE ORAÇÃO NO DIA DO SENHOR
(em família)

Vamos-lhe dar um título: FICAR COM O MESTRE

SAUDAÇÃO 
Aquele que Se manifestou no Presépio e no Jordão, como Deus feito Homem, nosso Irmão, é agora indicado por João Batista aos seus discípulos como «o Cordeiro de Deus». Na humildade da sua entrega, o Mestre chama-nos a segui-l’O, de corpo e alma. Aquele Jesus, que contemplávamos como o Eleito e o Ungido do Senhor, somos agora chamados a deixá-l’O crescer dentro de nós e a segui-l’O na nossa vida quotidiana e familiar. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. 
TODOS: Ámen. 

PEDIMOS PERDÃO
 Porque muitas vezes, a rotina da nossa prática religiosa e os ruídos à nossa volta, nos impedem de escutar e de discernir a voz do Senhor, que está à porta do coração e nos chama a entrar na sua morada, invoquemos a sua misericórdia. 

> Palavra do Pai: Senhor, misericórdia! 
TODOS: Senhor, misericórdia! 

> Mestre da Verdade: Cristo, misericórdia!
 TODOS: Cristo, misericórdia! 

> Cordeiro de Deus: Senhor, misericórdia!
 TODOS: Senhor, misericórdia!

 ACOLHEMOS A PALAVRA 
[Ver/ouvir a primeira parte do vídeo/audio disponível no Laboratório da fé; Quem não tem acesso aos meios digitais pode ler o texto da folha em anexo] 

LEITURA DO SANTO EVANGELHO SEGUNDO SÃO JOÃO [capítulo 1, versículos 35 a 42] 

Naquele tempo, estava João Batista com dois dos seus discípulos e, vendo Jesus que passava, disse: «Eis o Cordeiro de Deus». Os dois discípulos ouviram-no dizer aquelas palavras e seguiram Jesus. Entretanto, Jesus voltou-Se; e, ao ver que O seguiam, disse-lhes: «Que procurais?». Eles responderam: «Rabi – que quer dizer ‘Mestre’ – onde moras?». Disse-lhes Jesus: «Vinde ver». Eles foram ver onde morava e ficaram com Ele nesse dia. Era por volta das quatro horas da tarde. André, irmão de Simão Pedro, foi um dos que ouviram João e seguiram Jesus. Foi procurar primeiro seu irmão Simão e disse-lhe: «Encontrámos o Messias» – que quer dizer ‘Cristo’ –; e levou-o a Jesus. Fitando os olhos nele, Jesus disse-lhe: «Tu és Simão, filho de João. Chamar-te-ás Cefas» – que quer dizer ‘Pedro’. 
[Ver/ouvir a segunda parte do vídeo/audio...] 

escutemos esta meditação: A PALAVRA ECOA EM NÓS...

PARTILHAMOS A PALAVRA 
As primeiras palavras de Jesus Cristo, no evangelho segundo João, têm a forma de uma pergunta: «Que procurais?». Uma pergunta que, mais tarde, ao iniciar o discipulado pascal, o Ressuscitado repete a Maria Madalena: «A quem procuras?» (João 20, 15). A pergunta abre o caminho que envolve cada um de nós, desde aquele primeiro encontro ao encontro pascal com Maria Madalena. E chega a nós com a mesma força e intensidade: «Que procurais?». Os dois amigos de João Batista querem saber onde mora, respondem com outra pergunta, o que denota interesse, a tal curiosidade necessária para dar início a uma amizade. Jesus Cristo lança-lhes um convite: «Vinde ver». Chama-os a conhecer o seu estilo de vida e, assim, iniciar novo relacionamento: o discipulado. Não propõe uma relação de tipo intelectual, como tirar notas e ir-se a pensar nelas. A amizade é a base do discipulado cristão, ontem e hoje. Convida a ir ver para ficar, não um ‘ver’ passivo, mas a deixar-se gerar, abrir a possibilidade de mudança na maneira de ser e de estar no mundo. A história dos primeiros discípulos é, afinal, a nossa história. Pensa na tua história de cristão, no modo como te tens relacionado com Jesus Cristo. Seja qual for o teu percurso, permite hoje que se torne numa história de encontro capaz de deixar uma marca no teu coração, capaz de mudar a tua vida. No momento certo, lhe dirás: «Mestre, onde moras?», ou seja, «Quero ficar contigo».

APRESENTAMOS AS NOSSAS PRECES 
Senhor, nosso Deus, em ti esperamos com toda a confiança. Por meio do Filho, Cordeiro e Senhor, apresentamos as preces do teu povo suplicante, dizendo: Fala, Senhor, que o teu servo escuta! 
> Pela Santa Igreja: saiba pôr-se à escuta, para sair, ver e chamar os que te procuram de coração sincero. Oremos! 
TODOS: Fala, Senhor...! 

> Pelos que governam: sejam capazes de ouvir o grito da Terra e o grito dos pobres, no cuidado pelos mais frágeis. Oremos! 
TODOS: Fala, Senhor...! 

> Por todos os ministros e servidores da nossa comunidade paroquial: não sejam simples agentes voluntários, mas se tornem verdadeiros discípulos de Jesus, capazes de O procurar, de O escutar, de O seguir e de O servir, em todos os lugares da sua existência. Oremos! TODOS: Fala, Senhor...!

> Pela nossa família: seja lugar de comunhão e de oração, escola do Evangelho e pequena Igreja Doméstica. Oremos! 
TODOS: Fala, Senhor...! 

 > [acrescenta a tua intenção]. Oremos! 
TODOS: Fala, Senhor...! 

Unidos a Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus, rezemos a oração que ele nos ensinou: 
[TODOS:] Pai nosso... 

ASSUMIMOS UM COMPROMISSO 
Preparemos o próximo Domingo da Palavra, criando, aqui em casa, um espaço digno, para a entronização da Bíblia, à volta da qual nos reuniremos, ao menos, uma vez por semana, para celebrar a ‘liturgia familiar’ e acolher o Evangelho. Que este exercício nos torne ‘aprendizes’ de discípulos, prontos a ir ao encontro para ficar com o Mestre. 
Bendigamos o Senhor! 
(Se for possível vamos também seguir a meditação diária no blog ou no facebook paroquial:  https://mialsb.blogspot.com/ )
TODOS: Graças a Deus! 

BÊNÇÃO DA FAMÍLIA E DA MESA [PARA REZAR ANTES DA REFEIÇÃO EM FAMÍLIA] 
Senhor Jesus Cristo, habitas o nosso coração e fazes da nossa casa a tua morada permanente. Tu és a Luz acesa sobre a nossa mesa. Abençoa-nos com a alegria do amor. E seremos uma família aberta e generosa, para com os irmãos que mais precisam. Ámen

------
[anexo à liturgia familiar]

ACOLHEMOS A PALAVRA 

 [primeira parte do vídeo/audio] 
O discipulado nasce de um encontro! «Que procurais?». A missão do Mestre desperta a vocação dos (futuros) discípulos. «Eles foram ver onde morava e ficaram com Ele nesse dia». Deus conta com a colaboração humana para realizar os seus planos. Convoca e espera, com paciência, a generosidade da resposta que faz cumprir as suas palavras: «Falai, Senhor, que o vosso servo escuta». Deus toma a iniciativa, aproxima-se, chama pelo nome, insiste uma e outra vez, sem desanimar. Mas o consentimento é essencial, porque a resposta precisa de ser livre e assumida: «Assim o quero, ó meu Deus, a vossa lei está no meu coração». Esta íntima relação é sustentada e fortalecida pela presença ativa do Espírito Santo: «Aquele que se une ao Senhor constitui com Ele um só Espírito». 

[segunda parte do vídeo/audio] 
«Que procurais?». Há perguntas que podem mudar a vida! Uma delas é a que Jesus Cristo dirigiu aos amigos de João Batista. São as primeiras palavras que o evangelista coloca na boca do Mestre. A mesma interpelação dirige-se hoje a mim e a ti. Na normalidade da vida, Jesus Cristo vem ao nosso encontro e pergunta: «Que procurais?». De facto, é nos caminhos da existência quotidiana que o Mestre vem ao nosso encontro! «É Jesus que toma a iniciativa. Quando tratamos algo com Ele a pergunta é sempre invertida: de interrogantes tornamo-nos interrogados, de ‘procuradores’ passamos a ‘procurados’» (João Paulo II). Aqueles aprendizes de discípulos, «ficaram com Ele nesse dia». Qual é a tua decisão?

 

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

INFORMAÇÕES ÀS COMUNIDADES EM TEMPO DE 'NOVO' CONFINAMENTO- 14 Janeiro 2021


CAROS CRISTÃOS DAS PARÓQUIAS DE ALVADOS, MIRA DE AIRE E SÃO BENTO

Reenviam-se as informações da Conferência Episcopal Portuguesa, acabadas de receber, sobre a vida eclesial e celebrações da fé neste período que agora inicia. Podem ler neste breve documento:


Sendo assim, nas nossas comunidades:
  1. CELEBRAÇÕES DA MISSA: Vão manter-se (se não houver outras informações e/ou indicações) as celebrações da Eucaristia habituais, com as alterações já previstas.
    • Missa diária às 18h , Igreja de Mira de Aire
    • Sábado, a partir do dia 23, a Missa será às 18h (e não às 11h), Igreja Paroquial de Mira de Aire  
    • Domingos:
      • 10h- Igreja Paroquial de Alvados
      • 11.30h- Igreja Paroquial de São Bento
      • 11.30h- Igreja Paroquial de Mira de Aire 
                É bom que, quem puder e quiser, participe na Eucaristia. O convite é sempre esse, a encontrar-nos em comunidade, na oração. Mas, neste tempo de 'cuidado' uns pelos outros, pela saúde uns dos outros, ninguém fica excluído da comunhão com Deus, ou ninguém deve sentir-se em falha...especialmente os mais frágeis, os mais idosos, se não tiver uma presença física! 'Ficar em casa' é o conselho geral.

            2. CELEBRAÇÕES DOS SACRAMENTOS:
    • Neste tempo não há celebrações de outros sacramentos (a não ser casos urgentes)
    • Funerais: A celebração com/pelos nossos irmãos que eventualmente falecerem nestes dias continuará a ser no cemitério e restrita à família. Se houver conhecimento público colocaremos sempre a intenção na Missa pelo(a) irmão(ã) defunto(a) no dia da sua partida (sem prejuízo das outras celebrações posteriores...)
    • Crisma: NÃO HAVERÁ A CELEBRAÇÃO DO CRISMA (no dia 31 de Janeiro, como previsto). Ainda não é possível agendar nova data, perante a situação instável que se vive. Sendo assim, também não se realizará o encontro marcado para o dia 23 de Janeiro.
3. DOMINGO DA PALAVRA DE DEUS E SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS

    Não fora o confinamento e teríamos (e mesmo assim vamos ter, embora de modo diferente) uma semana e domingo próximos cheios de significado e vivência celebrativa:

    • 18-25: Semana de Oração pela Unidade dos cristãos     
    • 24: Domingo da Palavra de Deus
      • Comprometemo-nos, no entanto, a propor um pensamento diário durante esta semana (18-24), no blog e facebook paroquial, sobre a 'Palavra de Deus'. E no domingo celebraremos a Eucaristia pela 'Evangelização'.
      • Se houver possibilidade propõe-se uma sessão de catequese (para todos os que frequentam a catequese), sábado dia 23, às 11.30h, sobre a Palavra de Deus. Sobre isso haverá informação nos espaços próprios.
4. CATEQUESE

A catequese presencial fica suspensa, pelo menos até dia 31 (inclusivé).  Por quanto possível manter-se-á o contacto (ou mesmo catequese) online. Ou por iniciativa de cada catequista com o seu grupo ou outras sessões endereçadas às várias faixas etárias ou até gerais (para todos).

------------------------------------------------------------------ 

Não obstante tudo o que estamos a viver não esmoreça a nossa fé, mantenhamos a nossa proximidade a Deus e uns aos outros. Isolar-se na fé é um passo acelerado para a descartar (desvalorizar)! Por quanto possível siga-se o que se vai propondo através das redes sociais. A nossa paróquia vai realizando alguns eventos via facebook e via ZOOM, alguns talvez mais adequados a uns do que a outros...mas creio que nunca se perde nada, mesmo quando alguns desses eventos são mais simples. Se houver ideias para valorizar este modo de estar 'ligados', no que diz respeito à formação e celebração da fé, não hesitem em propor e colaborar.

Sempre sem alarmismos  Cuide cada um de si, para cuidarmos dos outros!

Entretanto, vamos estando online, vamos ficando 'ligados', no caso de haver alterações imprevistas.

PP.  Luis Ferreira e Luis Pereira





domingo, 10 de janeiro de 2021

BAPTISMO DO SENHOR - A partir da Palavra

 BAPTISMO DO SENHOR: «Ao subir da água…» - Ano B

Harmonia total!

Os lábios silenciam-se. Os ouvidos são o fio condutor.
As mãos unem-se. Os braços tocam-se lentamente.
Os pés movem-se em uníssono. O coração bate o ritmo que é marcado por outro coração.
Os olhos fecham-se e tudo desaparece… permanece apenas o nosso Espírito e a força de Deus.
É assim que aprendemos a dançar! É assim que o nosso Baptismo se revela em vida…

 

A água purifica a mente e alimenta a vida.
A chuva que cai na terra faz a semente brotar.
A força da Palavra de Deus reveste a humanidade com pureza e santidade.
Então, aquele que confia inteiramente no Senhor Bom Deus,
sacia a sua sede na alegria da fonte de salvação: n’O Cristo, Filho Unigénito de Deus Pai.

 

Hoje, ansiamos o Baptismo, mais uma vez.
Tentamos visualizar a beleza daquele momento singular,
em que João mergulha o Cordeiro de Deus, nas águas do Rio Jordão
e uma humilde pomba rasga o poderoso e infinito céu, apenas para que se escute:
«Tu és o meu Filho muito amado, em Ti pus toda a minha complacência».

 

Tu sabes que és Filho de Deus. Tu és baptizado!
Foste chamado pelo nome e abriram-te as portas da Igreja.
Perante a grandeza do momento revelas-te numa melodia sem fim.

 

Teimosamente, tentas abstrair-te da Missão de Ser Aspersão da Caridade!
MAS… a cada passo de dança que dás, a cada gesto de amor que partilhas,
a cada sorriso contagiante que esboças, a cada pétala de alegria que imanas,
salpicas, com a presença de Deus, os tristes e oprimidos!
Cumpres a vontade do Pai! Consegues salvar Almas!

 

Viver diariamente o nosso Baptismo
faz de cada um de nós uma vela acesa, permanentemente.

 

No Círio Pascal, em Jesus Cristo, abastecemos o calor da Fé que nos aquece o rosto.
Somos ungidos. Somos Profetas. Somos Sacerdotes. Somos Reis.

 

A fortaleza do Espírito Santo de Deus está em nós.
Na palma da nossa mão está o futuro de uma sociedade mais justa e mais livre.

 

Aprecia a transparência da gota de chuva que bate na vidraça:
sozinha é silenciosa, passa despercebida…
mas quando se une a outras gotas,
o ritmo é contagiante e muda o caminho de muitos!

 

Dança…
Serás a criança que confia plenamente
nesta fonte inesgotável de Amor.
E… Se achas que não sabes dançar, lembra-te:
é O Bom Deus, O Pai, quem te guia.
Tu és um Filho muito amado… Dança!


Liliana Dinis