DESTAQUE

A PROFISSÃO DE FÉ E A PRIMEIRA COMUNHÃO

O caminho da fé não cede às agruras do tempo.  Em ano pastoral tão diferente, tão cheio de recuos e avanços, tão marcado pelos sinais estran...

sábado, 3 de agosto de 2019

XVIII DOMINGO COMUM C - a partir da Palavra...


DÉCIMO OITAVO DOMINGO, ANO C
Os bens temporais possuem uma importância relativa, nunca absoluta. Jamais podem ser o objeto último da felicidade. Então, se «a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens», depende de quê? A vida depende da busca humana da felicidade em três coisas: a vida espiritual, o próximo, a nascente que brota de Deus.
Eu sou o pão da vida, diz o Senhor.
Quem vem a Mim nunca mais terá fome,
quem crê em Mim nunca mais terá sede.
João 6, 35
Jesus Cristo quer elevar o nosso olhar para um horizonte pleno de felicidade. Nele encontraremos o «pão da vida», esse alimento que sacia todas as nossas fomes e sedes mais leves ou mais profundas.
«A vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens»
Os bens temporais possuem uma importância relativa, nunca absoluta. Jamais podem ser o objeto último da felicidade. A dependência obsessiva deles pode conduzir a uma existência apenas focada no chão que pisamos, ignorando o centro da fé cristã: a ressurreição, a vida eterna. No episódio do evangelho segundo Lucas próprio do Décimo Oitavo Domingo (Ano C), Jesus Cristo alerta: «A vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens».
Comer e beber, descansar e regalar-se, são aspetos positivos do quotidiano, quando assumem forma moderada. O mesmo se aplica ao trabalho, viagens, lazer, cultura, desporto, e todas as demais atividades humanas e sociais. A sua importância e necessidade precisa de ser conjugada com aquilo que possibilita o desenvolvimento integral do ser humano.
A atenção aos outros, o amor experienciado, o perdão retribuído, o pão repartido, a esmola oferecida, a alegria espalhada, a gratuidade vivida e tudo o que parece perdido aos olhos do mundo, é o que de facto enriquece a existência e me torna «rico aos olhos de Deus». Nesse encontro eterno, pelo qual mergulhamos no ser de Deus, perde-se tudo aquilo que agarramos e recupera-se tudo aquilo que compartilhamos.
Então, se «a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens», depende de quê? A vida depende da busca humana da felicidade em três coisas: a vida espiritual, o próximo, a nascente que brota de Deus. «Aqui reside a minha força. Estas três coisas devem estar em comunhão, em circulação; eu, enxertado nestas três realidades. Então, estou vivo. […] Queres vida plena? Não a busques no mercado das coisas: as coisas prometem o que não podem preservar. Desloca o teu desejo, deseja em relação a outro, lança o coração para lá das coisas, a nossa riqueza é o mistério de Deus. […] Estar vivo amanhã não é um direito meu, é uma prenda; rever o sol amanhã de manhã e as caras queridas não é óbvio, é uma dádiva, e que as células do meu corpo amanhã funcionem bem é um milagre, de que devemos estar gratos» (Ermes Ronchi).
Orar
A oração faz entrar em contacto com a nascente e a foz deste rio que é a existência terrena: o Deus revelado em Jesus Cristo. Em primeiro lugar, é a oração que faz com que a missão de Jesus Cristo seja, para a Igreja, o «critério para medir a eficácia das estruturas, os resultados do trabalho, a fecundidade dos seus ministros e a alegria que são capazes de suscitar» (cf. Nota Pastoral para o Ano Missionário…, 3).

https://www.youtube.com/watch?v=clS8mji90nM

XVIII DOMINGO COMUM C


domingo, 28 de julho de 2019

XVII DOMINGO COMUM - a partir da Palavra...

XVII DOMINGO COMUM C – a partir da Palavra

Clamor… é muito mais do que uma simples súplica!
Clamar… é muito mais do que pedir!
Clama… é muito mais do que uma ordem… é um conselho!
Aquele que vive com o pensamento no bem, o coração em Deus e a atitude nos outros,
clama sem dor qualquer clamor que o faz clamar e ser livre!
Não podemos ter vergonha de pedir, quando sabemos que dessa prece pode nascer a redenção:
«Se o meu Senhor não levar a mal, falarei ainda esta vez: talvez lá não se encontrem senão dez»
A Fé que habita no nosso peito responde: «Em atenção a esses dez, não destruirei a cidade»
e o nosso pensamento corre para encontrar os 10 “justos”…
Mas é da nossa boca que sai o clamor:
«Quando Vos invoquei, me respondestes, aumentastes a fortaleza da minha alma.»
e aos nossos olhos, como Baptizados e membros da Igreja do Cristo, a nossa prece é tida em conta:
«Anulou o documento da nossa dívida, com as suas disposições contra nós; suprimiu-o, cravando-o na cruz.»
Já nada nos será impossível, porque encontramos o Senhor da Vida, o nosso Criador que nos ama, infinitamente.
Hoje, a Liturgia do 17º domingo do Tempo Comum, do Ano C adopta-nos… oferece-nos um Pai!
Um único e verdadeiro Pai, capaz de estar sempre presente e de nos resgatar sempre.
«Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos,
quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem!»
Esta frase de Jesus, o Cristo que nos ensina a rezar, a pedir, a clamar,lembra-me o pregão:
“Chora, que a mamã dá!”
É mais fácil dar o que os meninos querem, porque a vergonha que sentimos pelos gritos que dão é gigantesca.
Com Deus funciona um pouco assim!!! Acreditem!
«Pedi e dar-se-vos-á; procurai e encontrareis; batei à porta e abrir-se-vos-á.
Porque quem pede recebe; quem procura encontra e a quem bate à porta, abrir-se-á.»
Só que Deus, Nosso querido e amado Pai, testa a persistência de quem pede!
Gosto de trazer no coração a sábia resposta da mãe, quando se pede algo que não se deve:
“Em casa, conversamos…”
Após uma longa conversa; a apresentação válida dos prós e contras;
a defesa total da nossa tese com provas válidas e concretas;
um discurso repleto de persuasão e com muitos carinhos à mistura;
pode ser que a mãe ceda e o nosso pedido é, finalmente, escutado!
Esta é a beleza da oração constante. Se o nosso coração quer; se a nossa intenção for forte;
se for essa a vontade do Pai (que quer a nossa Felicidade plena),
o pedido deixará de ser um clamor e será realidade!
Tens algo a pedir ao «Juiz de toda a terra»?
Fortalece o teu diálogo intenso com O Pai.
Reza com ternura e para que a benignidade floresça.
Não peças apenas para ti.
Ambiciona o bem para aquele que sofre.
Perdoa aquele que te irrita e te deixa infeliz,
pois não sabe amar, como tu amas…
Sê generoso para com todos os que partilham o teu caminho.
Diz baixinho, em sussurro, e sem temor clama ao Pai:
“Obrigada, perdão e ajuda-me mais!”
No silêncio do teu peito encontrarás a resposta e a prece será escutada.
Liliana Dinis