DESTAQUE

INFORMAÇÕES PAROQUIAIS - Retoma de celebrações e acções suspensas

RETOMAMOS O NOSSO CAMINHO COM A NORMALIDADE POSSÍVEL «Nesta hora de ação de graças a Deus, queremos também exprimir o nosso reconhecimento a...

sábado, 5 de dezembro de 2020

II DOMINGO ADVENTO B - A partir da Palavra

 

II DO ADVENTO: «…remissão dos pecados.» - Ano B

Apregoavam pela cidade, pela aldeia, por todos os cantos.

Gritavam com todas as forças… e todos vinham comprar o jornal!

Já não se grita na rua. Só os loucos é que o fazem…
São acusados de perturbar a ordem e o silêncio da polvorosa diária, aniquila a voz dos sem voz.
Já não há ardinas! Já não há quem anuncie as boas notícias!

Porque guardamos e escondemos o melhor que nos é dado?
Em cada um de nós há uma voz
que é amarfanhada pelo peso da cobardia, que qualifica a humanidade inteira.
Pedimos incessantemente que o Bom Deus se revele.
Mas, afastamo-nos do pobre, porque cheira mal e as suas roupas estão sujas.
A humildade e uma vida Santa não nos satisfaz…
Afirmar, com alegria, que somos Baptizados é algo do passado!

O 2º domingo do Advento, presenteia-nos com a bela figura de João, O Baptista.
Aquele que entoava no deserto a vontade do Pai e fazia da pele de camelo,
uma veste rica em Esperança, em Fé e em Caridade.
A Voz grita, permanentemente: «Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas».
O nosso coração tem de ficar preparado
para aceitar Aquele que não somos dignos de desatarmos as correias das sandálias.

Hoje, tu és a Voz que está em silêncio…
Não temas abrir a tua boca para anunciar que o Menino Deus nascerá.
Dentro do teu íntimo urge a vontade insaciável de te encontrares com o Salvador.

Amarra aquele pecado maior: o da omissão!
A desculpa pré-definida que te ecoa na mente: “Não tenho tempo!”
deve ser apagada do teu bloco de notas.
A introspeção pessoal: “Não sou capaz!
tem de ser dominada pela certeza absoluta de que Deus confia em ti.
Tu és a VOZ deste tempo surdo e mudo para a Caridade.

Que o fogo do Espírito Santo incendeie a Boa Nova
no coração dos que andam pelos caminhos tortuosos da mentira…
Que os vales da inveja sejam alteados…
Que os montes da discórdia sejam abatidos…
Que as colinas do orgulho desmedido sejam aniquiladas…

Aceita a Caridade que João Baptista tanto apregoa
e faz a tua vida um pregão sem fim!

Hoje, o ardina sou eu… és TU!
Vamos endireitar as veredas.

Liliaana Dinis

II DOMINGO ADVENTO B

 


domingo, 29 de novembro de 2020

I DOMINGO ADVENTO B (2020) - A partir da Palavra

I DO ADVENTO «Vigiai!» - Ano B Já não se ouve o apitar do Comboio… Na mão erguia-se a lanterna acesa… Na mente a alegria da tranquilidade do dever cumprido! Mas, o Metro vem silenciar tudo o que desperta em nós o estado da boa ansiedade. Já não há Vigias. É preciso VIGIAR! Estar atento ao palpitar do nosso coração. Acolher a vontade do Pai e libertar a alma. Sair desenfreadamente para anunciar a vinda do Messias! Cansados de escutar o mesmo pedido? SIM! Então, porque não o realizamos? Invocamos hoje, amanhã e para todo o sempre o Nome de Deus! Somos o barro que o oleiro deu forma. Em cada um de nós habita um rasto de Paz e uma força extasiante. Por isso, afastarmo-nos do caminho do Pai, provoca medo e suja as nossas vestes. A certeza de que o Senhor é Misericordioso mantem-nos firmes na Fé. Quando nos arrancam o coração, com pequenos sinais de que o mundo não quer mudar, é a Palavra que sai da boca do Cristo, que fortalece a nossa Esperança. No 1º domingo do Advento, do Ano B, o Homem deixa a sua casa ao cuidado dos Servos. Parte! Deixa a promessa que voltará: «…se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se de manhãzinha; não se dê o caso que, vindo inesperadamente, vos encontre a dormir.» Eis que descobrimos: o nosso tempo não é o tempo de Deus! Tu e eu somos os Servos. A tarefa é, sem qualquer dúvida, AMAR. Quem? A TODOS (sem distinção). Quando? Hoje! Como? Intensa e imensamente! Negar esta missão… é permanecer num sono pesado e fútil. É não ter VIDA! É viver no medo! Servo de Deus… Mantem os olhos abertos! Nos ouvidos instala a última aplicação, que este mundo inventou, para bloquear o mal e amplificar o bem. Não retenhas no teu barro a Vida que o Pai soprou: Ousa! Acolhe a Caridade como único sangue que te corre nas veias. Sê testemunha da graça do Pai e Acorda! Nós somos Igreja… Nós somos eternos Vigias! É tempo de partilhar a Caridade! Eis a tarefa mais bela, que o Bom Deus nos dá. Acolhe-a! Liliana Dinis