sábado, 14 de março de 2020

SEMPRE...HOJE MAIS QUE NUNCA

A nossa oração sempre...hoje mais que nunca! Por todos os que saem das suas casas e se expõem pelo cuidado dos mais frágeis... A comunhão, de coração, com todos esses...


PROPOSTA CELEBRAÇÃO III DOMINGO QUARESMA (Ano)

PARA UMA EXPERIÊNCIA DE ORAÇÃO DOMINICAL INDIVIDUAL (OU EM FAMÍLIA)
- um encontro pessoal com Jesus na oração - 

UMA PROPOSTA AOS CRISTÃOS DAS COMUNIDADES


Deste modo, aproveitaremos este tempo especial da quarentena forçada, como tempo favorável para uma Quaresma reforçada e, portanto, para uma Páscoa verdadeiramente de renascimento e de vida nova.

"Talvez a experiência deste mal comum nos revele a importância do bem comum, hoje tão esquecido e escarnecido. Desta emergência pode, de facto, extrair-se uma bela lição de solidariedade: “A tua vida é também a minha vida, e eu próprio, com as minhas forças, colaboro na construção do bem comum”.
Por isso mesmo, evitemos abrir brechas na barragem de contenção comum do coronavírus, com escolhas irresponsáveis, e obedeçamos às disposições restritivas, comportando-nos com cautela e responsabilidade, pensando cada um para si mesmo: “ao proteger-me, protejo os mais fracos, os mais expostos: idosos, adultos frágeis, crianças doentes”. As restrições, obrigações e recomendações práticas, que a Direção-Geral da Saúde, ou outras entidades do Estado, atentas ao bem comum, nos fazem, são mesmo para ser assumidas e levadas a sério. 
Não deixemos, porém, que a pandemia deste vírus nos arraste para as trevas do medo, de modo que o necessário distanciamento físico não nos afaste ainda mais dos outros, transformando o próximo, o irmão, o outro, em “inimigo” ou “concorrente” do mercado ou do super-mercado. Em vez do medo, esta pandemia desperte em todos nós o santo temor de Deus, isto é, o sentido da minha responsabilidade, pois tenho de responder diante de Deus pelo que faço da minha vida e da vida dos meus irmãos. "(P. Gonçalo)

É esse o sentido de qualquer cancelamento, mesmo com sacrifício pessoal e comunitário, de muitas iniciativas que fazem parte do programa habitual das nossas vidas e até do programa espiritual da Quaresma 

-------------------

Após o sinal da cruz e um momento de reconhecimento das faltas (exame de consciência)

1. ler o texto do Evangelho Dominical - Jo 4, 5-42
* Eis um boa ocasião para - se for esse o caso - agarrar na Bíblia (tirar assim o pó) e abrir no texto evangélico deste domingo.  
(para quem não tem muita prática, basta ir ao índice da Bíblia, procurar na área do Novo Testamento, João - ou Jo - e ir procurando nos números maiores - capítulos - o 4, e aí ler a partir dos números mais pequenos - versículos - 5 até 42.) *

2.  ouvir esta meditação: (seleccionar o texto a seguir e, com o rato, botão lado direito, fazer clik onde diz 'ir para...')

http://bit.ly/2wYPF1G

3. escutar este belo cântico sobre o tema:  (em cima do texto seguinte, com o rato, botão lado direito, fazer clik onde diz 'ir para...')

https://www.youtube.com/watch?v=yVBIE8HuWHs

4. Proclamar o Credo da fé (simbolo dos apóstolos):


Creio em Deus Pai, todo-poderoso, Criador do céu e da terra;
E em Jesus Cristo, um só seu Filho (seu único Filho), Nosso Senhor,
Que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu de Maria Virgem;
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado;
Desceu aos infernos, ressuscitou ao terceiro dia;
Subiu ao Céu, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso,
De onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo,
Na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos,
Na remissão dos pecados,
Na ressurreição da carne,
Na vida eterna.

Amém.


5. Fazer as preces que se seguem respondendo 'ouvi-nos, Senhor'.

Reforça a tua Igreja. R/.
Ilumina o nosso papa Francisco. R/.
Consola o nosso bispo N. R/.
Reforça a nossa nação portuguesa, que está em provação. R/.
Cura os doentes. R/.
Consola e sustenta as famílias nas quais há doentes. R/.
Sê o apoio dos idosos que estão sós. R/.
Suscita a caridade especialmente para quem não tem ninguém. R/.
Faz-te presente junto dos reclusos. R/.
Guarda todos os povos na paz. R/.
Afasta toda a doença e desgraça. R/.
Socorre os pobres. R/.
Conforta os órfãos e as viúvas. R/.
Visita os agonizantes. R/.
Concede a paz aos defuntos. R/.


5. Rezar o Pai Nosso

6. Conclusão com a oração a Maria (do Papa Francisco)

Ó Maria, 

Tu resplandeces sempre no nosso caminho
como sinal de salvação e de esperança.
Confiamo-nos a Ti, Saúde dos Enfermos,
que junto da Cruz foste associada à dor de Jesus,
mantendo firme a tua fé.

Tu, Salvação do Povo de Deus,
sabes bem do que mais precisamos
e estamos seguros de que proverás
para que, tal como em Caná da Galileia,
possa voltar a alegria e a festa
depois deste momento de provação.

Ajuda-nos, Mãe do Divino Amor,
a conformar-nos com a vontade do Pai
e a fazer aquilo que Jesus nos disser,

Ele que tomou sobre Si os nossos sofrimentos
e carregou as nossas dores,
para nos conduzir, por meio da Cruz,
à glória da Ressurreição.
Ámen.


À vossa proteção nos acolhemos, 
Santa Mãe de Deus.
Não desprezeis as nossas súplicas, 
nós que estamos na provação,
e livrai-nos de todos os perigos, 
ó Virgem gloriosa e bendita!
----------


Bom e santo domingo para todos e cada um!









III DOMINGO QUARESMA (A)


CALENDÁRIO MENSAL (alteração)


ESQUEMA PARA ORAÇÃO NO III DA QUARESMA - em família

Celebrar o domingo em família

Muitas comunidades católicas estão a preparar-se para não poder celebrar o domingo nas igrejas, quer por determinação das dioceses, quer por motivos de saúde individual e pública. A par do acompanhamento da missa nos meios de comunicação, propomos um instrumento como ponto de partida e inspiração para a celebração do domingo em casa, tanto por quem está só, como por aqueles que desejam juntar a família. Ainda que não se possa estar materialmente congregados na igreja, podemos estar espiritualmente unidos na oração comum.
A oração pode ser feita à volta da mesa onde normalmente se parte o pão e se partilham momentos em comum, ou no local da casa que se considere ser mais adequado. Em todo o caso, seria conveniente que o espaço fosse preparado com sinais simples que ajudem à oração – um crucifixo, uma toalha, uma vela, um Evangelho. Se houver mais do que uma pessoa, a mãe ou o pai podem orientar o momento celebrativo, mas todos devem participar ativamente.

---------
Propomos aqui um tempo de oração, a partir dos textos da Liturgia (evangelho) deste III domingo

Introdução (de pé)
Guia
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.
Todos
Ámen.
Guia
O Senhor Jesus, presente no meio de nós e na Palavra,
nos conserve unidos no seu amor. Bendito seja Jesus, agora e para sempre.
Todos
Bendito seja Jesus, agora e para sempre.
Guia
Hoje é o Dia do Senhor, e, em todo o mundo,
o Povo de Deus reúne-se para escutar a Palavra de Jesus
e para responder-lhe através do louvor.
Na esperança de pode celebrar quanto antes a Eucaristia,
também a nossa família se congrega em comunhão com toda a Igreja.
Em particular, sentimo-nos unidos aos nossos pastores,
e aos irmãos e irmãs das comunidades espalhadas pelo mundo.
A nossa família, recolhida na fé,
acredita que como o Senhor Jesus esperou a samaritana no poço de Jacob,
espera agora também por nós,
neste difícil momento da história do mundo,
para reforçar a nossa fé e a nossa esperança nele,
Deus único e verdadeiro,
do qual recebemos a água viva da salvação.
Pausa de silêncio
Guia
Jesus misericordioso, fonte de todo o bem,
Tu propuseste-nos como remédio para o pecado
o jejum, a oração e as obras de caridade;
olha para nós, que reconhecemos a nossa miséria,
e porque nos oprime o peso das nossas culpas,
console-nos a tua misericórdia.
Por Cristo, nosso Senhor.
Todos
Ámen.

Escuta da Palavra (sentados)
Leitor
Escutemos a Palavra do Senhor segundo o Evangelho de João:
Naquele tempo, chegou Jesus a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, junto da propriedade que Jacob tinha dado a seu filho José, onde estava o poço de Jacob.
Jesus, cansado da caminhada, sentou-se à beira do poço. Era por volta do meio-dia.
Veio uma mulher da Samaria para tirar água.
Disse-lhe Jesus: «Dá-me de beber».
Os discípulos tinham ido à cidade comprar alimentos.
Respondeu-Lhe a samaritana: «Como é que Tu, sendo judeu, me pedes de beber, sendo eu samaritana?».
De facto, os judeus não se dão com os samaritanos.
Disse-lhe Jesus: «Se conhecesses o dom de Deus e quem é aquele que te diz: “Dá-me de beber”, tu é que lhe pedirias e Ele te daria água viva».
Respondeu-lhe a mulher: «Senhor, Tu nem sequer tens um balde e o poço é fundo: donde te vem a água viva? Serás Tu maior do que o nosso pai Jacob, que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu, com os seus filhos e os seus rebanhos?».
Disse-lhe Jesus: «Todo aquele que bebe desta água voltará a ter sede. Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede: a água que Eu lhe der tornar-se-á nele uma nascente que jorra para a vida eterna».
«Senhor, – suplicou a mulher – dá-me dessa água, para que eu não sinta mais sede e não tenha de vir aqui buscá-la.»
Convida-se ao silêncio meditativo. Livremente, cada pessoa pode pronunciar a palavra que lhe foi mais significativa.
Leitor
Disse a samaritana: «Vejo que és profeta. Os nossos pais adoraram neste monte e vós dizeis que é em Jerusalém que se deve adorar».
Disse-lhe Jesus: «Mulher, acredita em mim: Vai chegar a hora em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas vai chegar a hora – e já chegou – em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e verdade, pois são esses os adoradores que o Pai deseja. Deus é espírito e os seus adoradores devem adorá-lo em espírito e verdade».
Disse-Lhe a mulher: «Eu sei que há de vir o Messias, isto é, aquele que chamam Cristo. Quando vier há de anunciar-nos todas as coisas».
Respondeu-lhe Jesus: «Sou Eu, que estou a falar contigo».
Muitos samaritanos daquela cidade acreditaram em Jesus, por causa da palavra da mulher. Quando os samaritanos vieram ao encontro de Jesus, pediram-lhe que ficasse com eles. E ficou lá dois dias. Ao ouvi-lo, muitos acreditaram e diziam à mulher: «Já não é por causa das tuas palavras que acreditamos. Nós próprios ouvimos e sabemos que Ele é realmente o Salvador do mundo».
Pausa de silêncio

Reflexão/contemplação
Leitor
No centro da liturgia de hoje está a água como ponto de convergência e de encontro de dois interlocutores: o ser humano e Deus. A água torna-se o símbolo que resume e exprime o pedido do ser humano e a resposta de Deus.
A existência humana revela aspirações infinitas: sede de amor, procura da verdade, sede de justiça, de liberdade, de comunhão, de paz… São desejos muitas vezes inapagados; o desejo de totalidade recebe em resposta apenas pequenos fragmentos; pequenos goles que deixam a sede por dessedentar. Do profundo de si, o ser humano tende para um “mais”, um absoluto capaz de sossegar e extinguir a sua sede de modo definitivo. Mas onde encontrar uma água que aplaque toda a inquietude e apague cada desejo?
A resposta às nossas perguntas é dada por Jesus no encontro com a samaritana. Quem tem sede pode chegar gratuitamente a Ele, e não terá mais sede; ele próprio, aliás, tornar-se-á uma fonte de água que brota para sempre. A promessa da água viva torna-se realidade na Páscoa de Jesus: do seu lado aberto saíram «sangue e água». A pessoa de Jesus torna-se a fonte de quem brita a água do Espírito, isto é, o amor de Deus derramado nos nossos corações no dia do Batismo.
Se a busca e a sede do ser humano encontram em Cristo plena satisfação, é preciso testemunhar como a salvação não está nas “coisas” que acendem novos desejos e inquietações, mas no único valor a que aderimos: Jesus Salvador do ser humano. Não há outra água que faça florir o nosso deserto e que definitivamente aplaque a nossa busca. «Fizeste-nos para ti, Senhor, e o nosso coração está inquieto até que repouse em ti» (Santo Agostinho).
Para este tempo de reflexão podem usar-se outros textos (cf. Artigos relacionados).
Pausa de silêncio
Todos
Sou poço sem água quando me encontro sem vida
Sou poço sem água quando não me dou conta dos rebentos que crescem à minha volta
Sou poço sem água quando quem me está próximo passa ao largo
Sou poço sem água quando me fecho nos meus pensamentos e nos meus vícios
Sou poço sem água quando Deus parece distante
Sou poço sem água quando desespero
Sou poço sem água quando não sou capaz de pedir ajuda

Invocações
Guia
Irmãs e irmãos, oremos ao Pai para que sacie a sede de verdade e de amor que anima o nosso coração, dando-nos o Espírito de Cristo que sustém a nossa esperança no seu amor infinito. Oremos, dizendo: «Ouvi-nos, Senhor».
Seguem-se orações espontâneas e/ou as seguintes intenções.
Guia
Reforça a tua Igreja. R/.
Ilumina o nosso papa Francisco. R/.
Consola o nosso bispo N. R/.
Reforça a nossa nação portuguesa, que está em provação. R/.
Cura os doentes. R/.
Consola e sustenta as famílias nas quais há doentes. R/.
Sê o apoio dos idosos que estão sós. R/.
Suscita a caridade especialmente para quem não tem ninguém. R/.
Faz-te presente junto dos reclusos. R/.
Guarda todos os povos na paz. R/.
Afasta toda a doença e desgraça. R/.
Socorre os pobres. R/.
Conforta os órfãos e as viúvas. R/.
Visita os agonizantes. R/.
Concede a paz aos defuntos. R/.
A palavra de Jesus à samaritana consola-nos e educa-nos:
redescubramos que a nossa casa, como qualquer situação, é lugar sagrado para nos deixarmos tocar por Deus,
e tornarmo-nos mulheres e homens que o buscam em espírito e verdade.
Deus fala-nos como a amigos e dá-nos o Espírito, no qual dizemos:
Pai nosso…

Conclusão
Guia
Ó Deus, fonte de vida
Tu ofereces à humanidade ressequida pela sede
a água viva da graça que brota da rocha, Cristo salvador;
concede ao teu povo o dom do Espírito,
para que saiba professar com força a sua fé,
e anuncie com alegria as maravilhas do teu amor.
Por Cristo, Senhor nosso.
Todos
Ámen.
Guia (fazendo o sinal da cruz)
O Senhor nos bendiga e nos proteja!
O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre nós e nos dê a sua misericórdia!
O Senhor dirija para nós o seu olhar e nos dê a sua paz!
Bendigamos o Senhor!
Todos
Graças a Deus!

sexta-feira, 13 de março de 2020

INDICAÇÕES PRÁTICAS PARA CONTINUAR UNIDOS NA FÉ

A nossa fé não se abala quando as nuvens ensombram o céu.
A nossa fé tem como 'pedra angular': 'onde dois ou três estiverem reunidos em Meu nome, Eu estarei no meio deles' e 'quando orares entra no teu quarto e reza a Teu Pai, porque o Pai que vê o oculto escutará a tua oração'!

Neste tempo, único e preocupante, a comunidade continua unida no espírito e mantém uma comunhão que vai para além da presença física.

Queremos continuar em contacto, em linha directa, por quanto nos for possível.
Propomos, desde já alguns meios para seguir as celebrações através dos meios de comunicação.

Junto um link:

http://bit.ly/2wU4rGV
--------------------------
Sexta-feira, 13 de março
15h03: A fé dos homens (RTP 2)
18h30: Terço (Rádio Renascença)
18h30: Terço (TV Canção Nova)
19h15: Eucaristia e oração de Vésperas (Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, Lisboa)
22h00: Eucaristia (Paróquia de S. Nicolau e Santa Madalena, Lisboa; à mesma hora diariamente)
22h00: Terço (Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, Lisboa)
22h45: A fé dos homens (Antena 1)
Sábado, 14 de março
06h00: Missa presidida pelo papa (Vatican News; cf. leitor de vídeo abaixo)
11h00: Eucaristia (Igreja de Santo António, Lisboa; à mesma hora diariamente)
12h00: Eucaristia (Rádio Renascença, à mesma hora de segunda-feira a sábado)
17h00: Eucaristia (Igreja de Santo António, Lisboa; à mesma hora diariamente)
18h00: Eucaristia (Arquidiocese de Braga; à mesma hora de segunda-feira a sábado)
19h00: Eucaristia e oração de Vésperas (Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, Lisboa)
22h00: Eucaristia (Paróquia de S. Nicolau e Santa Madalena, Lisboa; à mesma hora diariamente)
22h00: Terço (Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, Lisboa)
Domingo, 15 de março
06h00: Missa presidida pelo papa (Vatican News; cf. leitor de vídeo abaixo)
06h07: A fé dos homens (Antena 1)
08h02: Eucaristia (Antena 1)
10h00: Porta aberta (Rádio Renascença)
10h30: Eucaristia (RTP 1)
11h00: Eucaristia (TVI)
11h00: Eucaristia (Igreja de Santo António, Lisboa)
11h00: Eucaristia (Seminário Maior, Coimbra)
11h00: Eucaristia (Arquidiocese de Braga)
11h00: Eucaristia (Rádio Renascença)
11h00: Oração do Angelus, presidida pelo papa (Vatican News; cf. leitor de vídeo abaixo)
11h30: Eucaristia (Capela do Rato, Lisboa)
17h00: Eucaristia (Igreja de Santo António, Lisboa)
17h45: 70x7 (RTP 2)
19h15: Eucaristia e oração de Vésperas (Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, Lisboa)
22h00: Eucaristia (Paróquia de S. Nicolau e Santa Madalena, Lisboa; à mesma hora diariamente)
22h00: Terço (Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, Lisboa)
23h30: Aura Miguel convida (Rádio Renascença)

Em conformidade com a sugestão de intensificar a «oração pessoal e familiar, biblicamente alimentada», o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura propõe um esquema de oração dominical em casa (cf. artigos relacionados).


13-03-2020 - Actualização - AOS PAROQUIANOS DA ALVADOS, MIRA DE AIRE E SÃO BENTO

13-03-2020 - Actualização –
 AOS PAROQUIANOS DA ALVADOS, MIRA DE AIRE E SÃO BENTO
CONFORME NOTA ABAIXO, da diocese de Leiria e da Conferência Episcopal Portuguesa
SERÃO CANCELADAS TODAS A MISSAS E CELEBRAÇÕES COMUNITÁRIAS,
incluindo as missas dominicais, ATÉ NOVAS INDICAÇÕES.
-------------------------------------
Nota da Diocese
Caro padre,
Na sequência da nota pastoral do nosso Bispo publicada ontem com o seu anexo normativo, envio-vos o seguinte "comunicado da Conferência Episcopal Portuguesa”.
Na nossa diocese, a suspensão da celebração das missas comunitárias começa amanhã e dura até novas indicações.
Onde for possível faça-se uma celebração privada da missa transmitida por internet para as famílias da paróquia.
As demais celebrações sacramentais, como  batismos, casamentos, penitência, unção dos doentes, quando não é possível adiamento e em situação de emergência, devem fazer-se, mas com as devidas precauções e só para os familiares próximos.
Quanto aos funerais, recomenda-se a contenção na participação das pessoas e a opção de fazer uma breve celebração exequial no cemitério em vez de ir à igreja.
Quanto aos mais aspetos pastorais, atenda-se às indicações da nota pastoral e das normas do seu anexo.
Procure-se incentivar as pessoas e as famílias a fazerem leitura da Palavra de Deus  e oração em família, como se diz no comunicado da Conferência Episcopal.
Confiamos à intercessão de Nossa Senhora de Fátima, mãe de misericórdia, a súplica a Deus que nos livre de todo o mal, dê sabedoria e ajude a combater a epidemia que aflige quase todo o nosso mundo.
Os meus melhores cumprimentos.
Padre Jorge Guarda
--------------------------------------
* RECOMENDAMOS QUE NA NOSSA PRÓPRIA CASA, SE LEIA ALGUM TEXTO DA ESCRITURA E QUE SUGERIREMOS PARA ESTE DOMINGO, ENTRETANTO, NESTA PÁGINA E SE FAÇAM ORAÇÕES, individuais e/ou em família.
* IREMOS AVALIAR A POSSIBILIDADE DE REALIZAR UMA CELEBRAÇÃO INTERACTIVA (via internet), NÃO SABENDO SE VAI SER EXEQUÍVEL (informaremos se se avançar nessa possibilidade). TAMBÉM CREMOS QUE NO DOMINGO HAVERÁ A EUCARISTIA NA RPT 1 E NA TVI, DA QUAL PODEMOS USUFRUIR (não havendo a possibilidade de participação efectiva e presencial)
* QUE ESTE NOSSO 'JEJUM' (comunitário) NÃO NOS AFASTE DO SENTIDO ECLESIAL DA FÉ E NOS REFORCE NA COMUNHÃO PESSOAL COM DEUS.
HAVEMOS DE REENCONTRAR-NOS COM LAÇOS MAIS FORTES.
O Pároco
PLuis Ferreira
-----

PS. Entretanto pedimos que quem tiver acesso a esta página vá seguindo as informações e faça de 'ponte' informativa para todos aqueles que não seguem ou não tem fácil acesso a este meio de divulgação/comunicação.

quinta-feira, 12 de março de 2020

ORIENTAÇÕES E NORMAS DA DIOCESE DE LEIRIA-FÁTIMA

Para informação e esclarecimento anexamos  o link, que nos foi remetido pela Diocese de Leiria-Fátima, relativo às normas recomendadas e que responsavelmente todos devemos seguir.

http://bit.ly/2W7WlVz

AOS PAROQUIANOS DE ALVADOS, MIRA DE AIRE E SÃO BENTO

Olá. Em razão de prevenção pela difusão da estirpe viral COVID-19, em concordância e alinhamento com as outras paróquias da Vigararia de Porto de Mós - e recomendações de outras entidades - todas as actividades normais da catequese nas paróquias de Alvados, Mira de Aire e São Bento, ficarão suspensas até à Páscoa (não haverá catequese)! Mantém-se as Missas habituais, para quem desejar participar (sugere-se aos pais que participem na Eucaristia e desejarem trazer os seus filhos que os mantenham junto a si) , até ulteriores informações, que entretanto poderão ser actualizadas e/ou alteradas, se assim se justificar! Comunique-se aos outros (crianças. jovens e aos pais).

- Ficam anuladas no imediato todas as actividades (incluindo celebrações previstas) no âmbito da catequese.

- até ulteriores indicações/actualizações não há alterações quanto à celebração das exéquias (funerais)

- mantemos - não havendo entretanto indicações em contrário - a iniciativa' 24 horas para o Senhor' nos dia 20/21 de Março.

- o Encontro Vicarial de Oração do Sr. Bispo com os jovens é cancelado.

- A Peregrinação Diocesana a Fátima - programada para 29 de Março - fica anulada

- O 'Retiro Popular' mantém-se, conforme a livre vontade dos participantes.

- O peditório público para a CARITAS foi cancelado.


Entretanto aguardamos eventuais ulteriores recomendações da Diocese de Leiria-Fátima, ou outras informações das nossas comunidades, das quais daremos conta neste espaço. A todo o momento poderão haver alterações positivas ou mais restritivas.
Com prudência, sem alarmismos, vamos fazer a nossa parte. Se se justificar daremos nota de alterações que possam existir. Por enquanto, procuremos prevenir para não termos de remediar!
Segue no link abaixo o comunicado emitido pela Diocese de Lisboa (que convido a ler)

http://bit.ly/3aQ5WEB

O Pároco
PLuis Ferreira

quarta-feira, 11 de março de 2020

A REALIDADE DO 'INVISÍVEL' E O ÂNIMO A CONSTRUIR

Sobre este assunto 'Covid-19', já proliferam por aí muitos 'escritos', recomendações, normas e textos, uns mais ou menos elucidativos e educativos. É importante que o esclarecimento continue e nos indique. Partilho convosco este que me parece lúcido e com uma abordagem que, sem ser técnica (prática), também pode ajudar e iluminar a nossa vida. Não há 'culpas' nem desgraças apontadas, mas reflexão sobre a vida, a nossa vida. Parece-me ser bom para ler e reflectir, como tomada de consciência da nossa realidade e da beleza que podemos ser e dar! (P Luis)
----------------------------------- 

Covid-19 e espiritualidade:
Oportunidade para reencontrar os outros e a interioridade perdida

Neste tempo de emergência, o que está a nascer de bom é a consciência de que a minha existência e a dos outros não dependem de mim; não sou eu o dono da vida. Basta um vírus – ainda que com um nome real – para a colocar em risco. Um vírus que pode ajudar todos nós a purificar-nos da nossa indiferença diante deste mistério que a nossa sociedade tenta controlar e por vezes “dominar” através do progresso científico-tecnológico.
Esta emergência é um convite a servir a vida, antes de mais pondo fim à superficialidade, à indiferença, ao egoísmo que me faz pôr-me a mim próprio no centro de tudo; e por isso não esquecendo que tudo é dom. A saúde e o bom funcionamento, hoje, das células do meu corpo são um dom a redescobrir; nada é dado como adquirido ou devido.
Talvez a experiência do mal comum nos diga o que é o bem comum, hoje tão escarnecido e vituperado. Desta emergência pode extrair-se uma lição de solidariedade: a tua vida é também a minha vida, e eu, com as minhas forças, colaboro na construção do bem comum. Por isso evito abrir brechas na barragem de contenção comum com escolhas irresponsáveis, e obedeço às disposições restritivas, comportando-me com cautela e responsabilidade, porque ao proteger-me, protejo os mais fracos, os mais expostos: idosos, adultos frágeis, crianças doentes.
Quem sabe se esta precariedade, o sentido de um “inimigo” que nos ameaça, não são as cinzas que impomos sobre a nossa existência para nos encaminharmos para a luz fulgurante da Páscoa, prefigurada pelo Evangelho da transfiguração do passado domingo. Se acolhermos estas cinzas feitas de limites, renúncias, medos, cansaços, doença, sofrimento, morte, então poderemos entrar numa consciência maior, a de sermos envolvidos e responsáveis uns pelos outros, base do viver civil e do viver cristão. Em cada um de nós está o traço de cada pessoa; em cada vida entram, de variadas maneiras, todas as existências.
A Quaresma acende uma luz sobre a nossa precariedade: o Evangelho do primeiro domingo recordava que não só de pão vive o homem. Não podemos viver transformando tudo em bens económicos; em momentos como estes, damo-nos conta de que o rei capitalista vai nu, e que também se vive de contemplação, de beleza, de relações, de sapiência. Vivemos também de vidas doadas para curar os outros, como são aquelas destes heróis modernos que são os médicos e os enfermeiros, que sufocam o medo para dedicar-se com abnegação a quem está frágil e doente.
Estes dias “sem” podem constituir uma oportunidade para nos dedicarmos a alguma coisa de que normalmente fugimos como se fosse um inimigo: a interioridade. Pode ter-se tempo para meditar, orar, caminhar, viver a pura alegria do dom e do agradecimento, viajar interiormente em companhia dos grandes de cada tempo.
Se acolhido de maneira correta, o “jejum” da missa pode constituir um caminho inédito para o Absoluto que nos espera. A partir do modelo dos Padres do Deserto, que viviam e conseguiam caminhar rumo a Deus para além dos ritos e das fórmulas litúrgicas. Este é o momento de reentrar em si, voltar à interioridade, ao meu eu que se acende diante do mistério da vida e do mistério de Deus. São dias para nos sentirmos instados por algo que nos preme por dentro e é mais quente, mais intenso, mais luminoso do que tudo aquilo que nos preme de fora.
Ermes Ronchi

domingo, 8 de março de 2020

RECOLECÇÃO DOS CATEQUISTAS (interparoquial)

DIA DE REFLEXÃO COM OS CATEQUISTAS
No domingo, dia 8 de Março, um bom grupo de catequistas das paróquia de Alvados, Mira de Aire e São Bento, congregou-se na Casa dos Monfortinos em Fátima para um dia de reflexão e partilha. A partir da espiritualidade quaresmal, nomeadamente a dimensão do 'deserto' como espaço e tempo de escuta, de silêncio, de reencontro com o essencial, de solidão...procurou-se aliar a oração, a reflexão e a partilha. Também algumas personagens bíblicas foram inspiração para uma meditação individual (e depois partilhada) acerca da relação e proximidade a Cristo Misericórdia. 
Foi, nosso entender e no testemunho da maior parte dos participantes, um dia intenso e de valor acrescentado, também como conhecimento mais profundo da Bíblia e do fortalecimento da amizade entre todos.
Pela tarde visitou-se a bela exposição intitulada 'Vestida de Branca', no Convivium Santo Agostinho, que foi do agrado geral.














FESTA DO PAI NOSSO - Mira de Aire

A FESTA DO PAI NOSSO
Os mais pequeninos - do primeiro ano da catequese de Mira de Aire - celebraram com alegria genuína, própria das crianças, a Festa do Pai Nosso.
Acompanhados pelos pais, pelas catequistas e pela comunidade, espalharam os seus 'sorrisos', ofereceram os seus 'corações', receberam nas suas mãos a oração do Pai- Nosso, rezaram-no e cantaram-no.
Tudo isto aconteceu na Eucaristia e por tudo isso foi um belo encontro de fé que se conclui com um gesto festivo com os familiares e amigos, na Cripta da Igreja.









II DOMINGO QUARESMA (A) - A partir da Palavra

II Q: «Levantai-vos e não temais». - Ano A

“Para que os fiéis que se reúnem ao domingo dêem testemunho de Jesus Cristo,
luz do mundo, aos que lhes pedem a razão da sua esperança…”
Ter Esperança alimenta a felicidade que habita no nosso peito!
Mas Ser Esperança faz de cada um de nós um Rosto translúcido do Filho de Deus.
Se não for para sê-lo… para quê insistirmos no parecê-lo?
Um Cristão Baptizado é Luz no mundo! Não hesites…
Sê testemunha da Esperança que o Cristo é na tua vida!

A primeira opção que a vida nos apresenta é a escuta!
Aqueles que são assíduos e atentos à Voz de Deus sabem que:
«A palavra do Senhor é recta, da fidelidade nascem as suas obras.
Ele ama a justiça e a rectidão: a terra está cheia da bondade do Senhor.»
Não há qualquer registo sobre um recém-nascido que fala, pois não?
Pelo contrário… todos os bebés se acalmam com a voz da mãe; quando alguém lhes fala! Logo, quando escutam.
Abraão e todos os que são chamados por Deus, após ouvirem o chamamento, ficam com o coração em ardor,
assumem a Missão e levantam-se para cumprirem a vontade do Pai:
«Abraão partiu, como o Senhor lhe tinha ordenado.»O plano traçado por Deus, nosso Senhor, nem sempre é fácil (quase nunca é…).
Especialmente se desligarmos a luz perante os maravilhosos ensinamentos que encontramos na bíblia:
«Sofre comigo pelo Evangelho, apoiado na força de Deus.
Ele salvou-nos e chamou-nos à santidade, não em virtude das nossas obras,
mas do seu próprio desígnio e da sua graça.»
Ao encontrarmos força e graça neste árduo caminho, sentimos que somos a Esperança para muitos.
Então, a vida ganha um novo alento e uma luz nova, forte,
capaz de encandear todos aqueles que tanto anseiam pelo encontro com o Cristo!

Hoje, no II domingo da Quaresma, do Ano A, Jesus leva cada um de nós em particular, até um lugar remoto!
Nesse santo e sagrado momento, faz-nos calar para falar connosco… transfigura-se…
deixa-nos maravilhados ao ponto de rezarmos assim: «Senhor, como é bom estarmos aqui!».
Mas, não são estas as palavras que o Pai quer ouvir da nossa boca…
não é esta atitude que quer de mim nem de ti!
Deus quer o nosso reconhecimento perante o Mestre:
«Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O».

Para que o nosso rumo seja o certo, escutar Jesus a explicar as escrituras dos antigos,
abre os nossos olhos para uma vida melhor, com mais Amor, mais Paz e mais Luz.
A nossa Missão nesta Quaresma é permitir que o Messias fale e
que a nossa Alma seja como um luzeiro para todos os que estão reunidos e querem escutá-Lo.

É hora de viveres a Quaresma com a forte convicção de que Deus ama-Te!
O Pai quer que sejas um dos corajosos a descer o monte
e a tornar visível a Transfiguração do Seu Filho muito amado.

Escuta…
Não fiques de rosto caído por terra, não fiques assustado…
Quando ouvires a Voz de Deus, fixa bem a batida do teu coração e se o ritmo for veloz: levanta-te e vai!
Corre atrás do sol que te levará até ao domingo, onde abasteces a tua boca com Esperança.
Aceita ser como o Filho muito amado de Deus.
Faz com que te escutem! Sê Palavra cheia de vida!

Liliana Dinis