DESTAQUE

INFORMAÇÕES PAROQUIAIS - Retoma de celebrações e acções suspensas

RETOMAMOS O NOSSO CAMINHO COM A NORMALIDADE POSSÍVEL «Nesta hora de ação de graças a Deus, queremos também exprimir o nosso reconhecimento a...

segunda-feira, 6 de abril de 2015

PÁSCOA, PENSANDO EM VOZ ALTA

PÁSCOA DA ALEGRIA SÉRIA E COMPROMETIDA

Uma partilha pascal (pessoal), a partir da realidade.


Hoje é o dia da alegria, mas de uma alegria séria, forte mas consciente, profunda mas coerente, porque não corresponde à realidade e à verdade que a alegria – na vida de cada um – seja plena e total. Podíamos até afirmar que na Páscoa, nesta Páscoa, urge viver uma esperança da alegria. Porque pode até parecer descabido falar de alegria, quando na verdade – a sério – constatamos tantos sinais concretos de tristeza e maldade, tanta condenação injusta – naqueles que são condenados ao desespero pela arrogância e orgulho de outros, naqueles que hoje, neste dia, celebram um dia solitário (sem ninguém), nos que sofrem pelos erros graves de outros, nos que por inveja e ‘peneira’ negam uma saudação, mas muito especialmente pela indiferença perante o mistério da cruz!
ÂCorremos o risco de nos deixar fascinar pelo mundo, para quem a paixão e morte de Jesus não passam de «loucura e escândalo», quando na verdade são «poder e sabedoria de Deus»? Porventura não seremos cristãos mornos, ao passo que o o amor de Jesus é um mistério de fogo?
Porventura damo-nos conta de que, antes de Deus vir até junto de nós, não sabíamos quem pudesse ser Deus? Jesus, permitiu-nos levantar o olhar para Ele e prometeu-nos o Reino dos céus! Como não havemos então de amar Aquele que nos amou primeiro?
 Nestes dias foi-nos recordado pelo Sto Padre que hoje há muitas “traições diárias” dos crentes à mensagem de Jesus, denunciando o “silêncio cúmplice” dos que assistem com indiferença ao massacre de cristãos “perseguidos, decapitados e crucificados” por causa da sua fé.
Até nós, cada um, podemos, neste nosso cantinho em que nos lamentamos, mas que é tão doce, esquecer e pensar que não é verdade que, mesmo nestes dias, há homens e mulheres que são presos, condenados ou até mesmo trucidados, só porque são crentes ou comprometidos em prol da justiça e da paz. Não se envergonham da cruz de riz. São, para nós, admiráveis exemplos a imitar.
ÂÉ claro que hoje tem de ressoar, fazer eco, bem dentro de nós e à nossa volta as palavras do Evangelho: quando passou o Sábado…
Ninguém pode dar a notícia da esperança e da alegria se ficar parado, á entrada do sepulcro, a olhar sem ver nada, mas também nada fazer! E, pensando na nossa fé, corremos tanto (mas tanto) o risco de ficar parados, à espera sem esperança… ou para como olheiros ver o que farão os outros (e começar a linguajar…) ou para – preguiçosamente – dizer para si mesmos: eu não sou o salvador, isto não é para mim. Não pode ser: hoje é o dia do testemunho: de dizer, lá na nossa casa, sem medo nem vergonha, Deus ama-te, ama-me, ama-nos… e com Ele venceremos sempre os ‘mistérios dolorosos’ da vida. Como a Maria do Evangelho: ouviu e depois foi dizer, não se calou. Alguém tem dúvidas de que se Jesus habita na sua casa tudo se torna diferente: temos mais alguém com quem conversar, alguém a quem pedir conselho e ajuda, alguém a quem agradecer… às vezes estamos em família, na nossa casa, e vivemos como ‘mudos’, cada um com os seus ‘deveres’, mas poucos em comum!
O Sábado tem de passar, o silêncio tem de transformar-se em feliz anúncio, em palavras belas que é preciso dizer (e não só pensar). Não é banalidade dizer a um pai ou mãe: gosto de ti, Jesus ama-te! Não é uma infantilidade. Não é banal dizer – mesmo com um gesto – a um pai ou mãe velhinhos (ou avós): nunca te abandonarei, pois podem ter a certeza de que eles nunca nos abandonam. Não é ridículo dizer a um filho pequeno ou jovem: rezo por ti e também podemos rezar juntos, ou gosto de ti como Jesus que nos amou mais que tudo! Não é uma estupidez ou uma coisa dos velhos ou do antigamente fazer uma oração juntos, como esposos (ou com os filhos), ao fim dum dia ou de manhã! Nada disto é inútil. E perguntemo-nos: fazemo-lo? Custa assim tanto? Posso começar ou recomeçar? Podemos conversar sobre isso em família?  Esta será uma Páscoa bela, grande e diferente, se houver algo que mude assim na nossa vida!
 Talvez cada pudesse rezar: Abre-te, coração meu. Sê amplo como o coração de Deus. Abre-te para levares esperança. Abre-te para tomares ao teu cuidado. Abre-te para ouvir. Abre-te para pores bálsamo nas feridas. Abre-te para dares luz a quem está nas trevas. Guarda e consola hoje, amanhã e sempre.
FELIZ E SANTA PÁSCOA!  (PLuis Ferreira)

BÊNÇÃO PASCAL DAS FAMÍLIAS em Mira de Aire e Alvados

... na tarde daquele DIA!
Mais uma significativa e significante celebração, na tarde de Páscoa, nas comunidades de Alvados e Mira de Aire. De manhã, também os voluntariosos jovens e adultos percorreram as ruas de São Bento, acompanhados pelo P. Luis Pereira. A partir do centro da Páscoa que foi - e será sempre - a Eucaristia, as comunidades reuniram-se para louvar na alegria, na oração e no convívio, num feliz testemunho desta verdade que em cada ano se fortalece e nos anima. Foi a colaboração e empenho de alguns que tornaram mais belos os espaços e animaram com alegria os felizes encontros. 
EM MIRA DE AIRE





 



 






EM ALVADOS














PÁSCOA 2015