DESTAQUE

INFORMAÇÕES PAROQUIAIS - Retoma de celebrações e acções suspensas

RETOMAMOS O NOSSO CAMINHO COM A NORMALIDADE POSSÍVEL «Nesta hora de ação de graças a Deus, queremos também exprimir o nosso reconhecimento a...

sábado, 17 de fevereiro de 2018

I DOMINGO QUARESMA B


40 PENSAMENTOS QUARESMAIS - um cada dia (3) - sábado após as cinzas

17 FEV
Sábado após as cinzas

 Do Evangelho de Lucas: 
Os fariseus e os doutores da Lei murmuravam, dizendo aos discípulos: «Por que comeis e bebeis com os cobradores de impostos e com os pecadores?» Jesus tomou a palavra e disse-lhes: «Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas os que estão doentes. Não foram os justos que Eu vim chamar ao arrependimento, mas os pecadores.»(5,30-32).
a clareza de um pecado é melhor do que a fraqueza do coraçãoÉ aqui que entra o problema da ‘fraqueza do coração’. Quando o coração começa a enfraquecer, não é como numa situação de pecado, em que tu cometes um pecado e te apercebes imediatamente. ‘Eu cometi este pecado’, é claro. Mas a fraqueza de coração é uma viagem lenta, passo a passo."

Papa Francisco
 Oração: 

Deus, nosso Pai,
permite que eu descubra as minhas doenças,
não apenas as do corpo, 
mas também as da alma, do coração,
para que eu, com a Tua graça,
trate delas com tempo,
sem perder tempo!
Faz da minha fraqueza de pecador
a força para pedir e oferecer perdão!
Ajuda-me a 'dobrar' o meu orgulho
e a minha vaidade.
Ámen.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

40 PENSAMENTOS QUARESMAIS - um cada dia (2) - sexta-feira de cinzas

16 FEV
Sexta-feira de cinzas

 Do livro de Isaías: 
Jejuais entre rixas e disputas, dando bofetadas sem dó nem piedade. Não jejueis como tendes feito até hoje, se quereis que a vossa voz seja ouvida no alto. Acaso é esse o jejum que me agrada, no dia em que o homem se mortifica? Curvar a cabeça como um junco, deitar-se sobre saco e cinza? Podeis chamar a isto jejum e dia agradável ao Senhor? 0 jejum que me agrada é este: libertar os que foram presos injustamente, livrá-los do jugo que levam às costas, pôr em liberdade os oprimidos, quebrar toda a espécie de opressão, repartir o teu pão com os esfomeados, dar abrigo aos infelizes sem casa, atender e vestir os nus e não desprezar o teu irmão. Então, a tua luz surgirá como a aurora, e as tuas feridas não tardarão a cicatrizar-se. A tua justiça irá à tua frente, e a glória do Senhor atrás de ti. Então invocarás o Senhor e Ele te atenderá, pedirás auxílio e te dirá: «Aqui estou!»(58,4-9).
“o jejum tira força à nossa violência, desarma-nos, constituindo uma importante ocasião de crescimento. Por um lado, permite-nos experimentar o que sentem quantos não possuem sequer o mínimo necessário, provando dia a dia as mordeduras da fome. Por outro, expressa a condição do nosso espírito, faminto de bondade e sedento da vida de Deus. O jejum desperta-nos, torna-nos mais atentos a Deus e ao próximo, reanima a vontade de obedecer a Deus, o único que sacia a nossa fome.”

Papa Francisco, Mensagem Quaresmal 2018
 Oração: 

Deus, nosso Pai,
peço-te que me ensines o 'jejum',
não banalizando a palavra e a atitude,
nem os que jejuam por convicção.
Que ele, o jejum, seja sinal de comunhão com os que nada ou pouco têm
e que me faça sentir, também no meu corpo, um pouco daquilo
que é a privação.
E que o meu jejum me conduza à caridade, 
ao amor fraterno e à partilha.
Ámen.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

40 PENSAMENTOS QUARESMAIS - um cada dia (1) - quinta-feira de cinzas

Tentaremos partilhar em cada dia quaresmal um pensamento, a partir da Palavra de Deus, a concretizar na vida, a rezar em oração.... Seguiremos, em geral, a iniciativa 40 dias com o Papa Francisco...mas também acertaremos, de vez em quando, o passo com a nossa realidade... Vamos ver se conseguimos. Aqui, no blog paroquial será mais fácil a regularidade, na página do facebook nem sempre
Começa a Quaresma, recomeça a vida (vem aí a primavera), retempera-se o espírito com o Espírito...para que 'o fogo' purificador e transformador da Páscoa anime os nosso corações!

15 FEV
Quinta-feira de cinzas

 Do Evangelho segundo S. Mateus: 
Quando, pois, deres esmola, não permitas que toquem a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas. (...). Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar de pé nas sinagogas e nos cantos das ruas, para serem vistos pelos homens. (...). E, quando jejuardes, não mostreis um ar sombrio, como os hipócritas, que desfiguram o rosto para que os outros vejam que eles jejuam (6, 2.5.16).
O Evangelho que inaugura a Quaresma convida-nos a ser os seus protagonistas, abrangendo três recursos, três remédios que curam do pecado. Em primeiro lugar, a oração, expressão de abertura e de confiança no Senhor. (...). Em segundo lugar, a caridade, para superar a falta de interesse em relação aos outros. (...). Em terceiro lugar, o jejum, a penitência, para nos libertarmos das dependências daquilo que passa e para procurarmos ser mais sensíveis e misericordiosos.

Papa Francisco, Homilia na Quarta-feira de Cinzas, 2016
 Oração: 

Deus, nosso Pai,
suplico-Te que me dês a graça de não esquecer
que devo rezar,
falar Contigo e escutar a tua Palavra.
Que a oração mais frequente, na Quaresma,
intensifique em mim a prática
das obras de caridade e misericórdia
e me leve à penitência
de renunciar àquilo que não condiz com o Evangelho.
Ámen.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

TRÊS GESTOS E ACÇÕES CONCRETAS PARA ESTA QUARESMA

Com o intuito de proporcionar gestos concertos e acções que dêem maior e mais profundo sentido ao tempo quaresmal eis três propostas:

RETIRO POPULAR
Com já vem sendo um bom hábito, eis um instrumento à disposição de cada cristão que deseje, para valorizar a leitura orante da Palavra de Deus, em grupo (ou até individualmente). A grelha com os vários grupos está exposta na entrada da Igreja e qualquer um pode associar-se a um desses grupos de reflexão e partilha. Há guiões de apoio nos lugares habituais das igrejas.

RENÚNCIA QUARESMAL
Um modo de partilhar em vista de uma acção concreta, proposta pelo nosso bispo, este ano diz ele: "A coleta desta renúncia na nossa diocese será canalizada, através da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, para ajudar os cristãos perseguidos no Iraque e no Paquistão, onde vivem em condições das maiores carências. Demos testemunho corajoso de generosidade!" A maneira habitual de realizar este gesto, passa pelo retirar do envelope 'próprio' existente nas entradas das igrejas, fazer alguma renúncia de valor pecuniário - pensando na intenção que é sugerida - e devolver o envelope , com o valor da renúncia - no ofertório das missas do domingo de Ramos. Como já sabemos não importa tanto o quantitativo, mas a 'verdade' da renúncia (que significa pensar nos que passam mais dificuldade).

24 HORAS PARA O SENHOR
Também esta iniciativa concreta grangeou uma agradável 'surpresa' nos anos transactos (passados) pela boa adesão. Ei-la de novo e vamos considerá-la de novo, envolvendo as comunidades e outros grupos que, com seriedade, queiram 'responsabilizar-se' por 1 hora diante do Santíssimo, na Igreja de Mira de Aire. das 18h do dia 9 às 18h do dia 10h. Assinalem já a vossa hora na grelha existente no Cartório (ou na sacristia). 
--------
A Quaresma coloca-nos diante de três realidades da vida humana: a fragilidade do nosso pecado, a graça do perdão e da misericórdia, o valor da 'caridade' como partilha e a luz que brilha sempre mais forte (na Páscoa de Ressurreição).  

MENSAGENS QUARESMAIS do Papa Francisco e do Bispo da Diocese de Leiria-Fátima

Eis um itinerário para esta Quaresma, bem elucidativo e realista...na reflexão e na acção concreta.

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA A QUARESMA DE 2018

"Porque se multiplicará a iniquidade, vai resfriar o amor de muitos" (Mt 24,12)

Amados irmãos e irmãs! Mais uma vez vamos encontrar-nos com a Páscoa do Senhor! Todos os anos, com a finalidade de nos preparar para ela, Deus na sua providência oferece-nos a Quaresma, «sinal sacramental da nossa conversão» [1], que anuncia e torna possível voltar ao Senhor de todo o coração e com toda a nossa vida.
Com a presente mensagem desejo, este ano também, ajudar toda a Igreja a viver, neste tempo de graça, com alegria e verdade; faço-o deixando-me inspirar pela seguinte afirmação de Jesus, que aparece no evangelho de Mateus: «Porque se multiplicará a iniquidade, vai resfriar o amor de muitos» (Mt 24, 12). Esta frase situa-se no discurso que trata do fim dos tempos, pronunciado em Jerusalém, no Monte das Oliveiras, precisamente onde terá início a paixão do Senhor. Dando resposta a uma pergunta dos discípulos, Jesus anuncia uma grande tribulação e descreve a situação em que poderia encontrar-se a comunidade dos crentes: à vista de fenómenos espaventosos, alguns falsos profetas enganarão a muitos, a ponto de ameaçar apagar-se, nos corações, o amor que é o centro de todo o Evangelho.

Os falsos profetas
Escutemos este trecho, interrogando-nos sobre as formas que assumem os falsos profetas?
Uns assemelham-se a «encantadores de serpentes», ou seja, aproveitam-se das emoções humanas para escravizar as pessoas e levá-las para onde eles querem. Quantos filhos de Deus acabam encandeados pelas adulações dum prazer de poucos instantes que se confunde com a felicidade! Quantos homens e mulheres vivem fascinados pela ilusão do dinheiro, quando este, na realidade, os torna escravos do lucro ou de interesses mesquinhos! Quantos vivem pensando que se bastam a si mesmos e caem vítimas da solidão!
Outros falsos profetas são aqueles «charlatães» que oferecem soluções simples e imediatas para todas as aflições, mas são remédios que se mostram completamente ineficazes: a quantos jovens se oferece o falso remédio da droga, de relações passageiras, de lucros fáceis mas desonestos! Quantos acabam enredados numa vida completamente virtual, onde as relações parecem mais simples e ágeis, mas depois revelam-se dramaticamente sem sentido! Estes impostores, ao mesmo tempo que oferecem coisas sem valor, tiram aquilo que é mais precioso como a dignidade, a liberdade e a capacidade de amar. É o engano da vaidade, que nos leva a fazer a figura de pavões para, depois, nos precipitar no ridículo; e, do ridículo, não se volta atrás. Não nos admiremos! Desde sempre o demónio, que é «mentiroso e pai da mentira» (Jo 8, 44), apresenta o mal como bem e o falso como verdadeiro, para confundir o coração do homem. Por isso, cada um de nós é chamado a discernir, no seu coração, e verificar se está ameaçado pelas mentiras destes falsos profetas. É preciso aprender a não se deter no nível imediato, superficial, mas reconhecer o que deixa dentro de nós um rasto bom e mais duradouro, porque vem de Deus e visa verdadeiramente o nosso bem.

Um coração frio
Na Divina Comédia, ao descrever o Inferno, Dante Alighieri imagina o diabo sentado num trono de gelo; [2] habita no gelo do amor sufocado. Interroguemo-nos então: Como se resfria o amor em nós? Quais são os sinais indicadores de que o amor corre o risco de se apagar em nós?
O que apaga o amor é, antes de mais nada, a ganância do dinheiro, «raiz de todos os males» (1 Tm 6, 10); depois dela, vem a recusa de Deus e, consequentemente, de encontrar consolação n'Ele, preferindo a nossa desolação ao conforto da sua Palavra e dos Sacramentos [3]. Tudo isto se permuta em violência que se abate sobre quantos são considerados uma ameaça para as nossas «certezas»: o bebé nascituro, o idoso doente, o hóspede de passagem, o estrangeiro, mas também o próximo que não corresponde às nossas expetativas.

A própria criação é testemunha silenciosa deste resfriamento do amor: a terra está envenenada por resíduos lançados por negligência e por interesses; os mares, também eles poluídos, devem infelizmente guardar os despojos de tantos náufragos das migrações forçadas; os céus – que, nos desígnios de Deus, cantam a sua glória – são sulcados por máquinas que fazem chover instrumentos de morte.

E o amor resfria-se também nas nossas comunidades: na Exortação apostólica Evangelii gaudium procurei descrever os sinais mais evidentes desta falta de amor. São eles a acédia egoísta, o pessimismo estéril, a tentação de se isolar empenhando-se em contínuas guerras fratricidas, a mentalidade mundana que induz a ocupar-se apenas do que dá nas vistas, reduzindo assim o ardor missionário [4].

Que fazer?
Se porventura detetamos, no nosso íntimo e ao nosso redor, os sinais acabados de descrever, saibamos que, a par do remédio por vezes amargo da verdade, a Igreja, nossa mãe e mestra, nos oferece, neste tempo de Quaresma, o remédio doce da oração, da esmola e do jejum.

Oração
Dedicando mais tempo à oração, possibilitamos ao nosso coração descobrir as mentiras secretas, com que nos enganamos a nós mesmos [5], para procurar finalmente a consolação em Deus. Ele é nosso Pai e quer para nós a vida.

Esmola
A prática da esmola liberta-nos da ganância e ajuda-nos a descobrir que o outro é nosso irmão: aquilo que possuo, nunca é só meu. Como gostaria que a esmola se tornasse um verdadeiro estilo de vida para todos! Como gostaria que, como cristãos, seguíssemos o exemplo dos Apóstolos e víssemos, na possibilidade de partilhar com os outros os nossos bens, um testemunho concreto da comunhão que vivemos na Igreja. A este propósito, faço minhas as palavras exortativas de São Paulo aos Coríntios, quando os convidava a tomar parte na coleta para a comunidade de Jerusalém: «Isto é o que vos convém» (2 Cor 8, 10). Isto vale de modo especial na Quaresma, durante a qual muitos organismos recolhem coletas a favor das Igrejas e populações em dificuldade. Mas como gostaria também que no nosso relacionamento diário, perante cada irmão que nos pede ajuda, pensássemos: aqui está um apelo da Providência divina. Cada esmola é uma ocasião de tomar parte na Providência de Deus para com os seus filhos; e, se hoje Ele Se serve de mim para ajudar um irmão, como deixará amanhã de prover também às minhas necessidades, Ele que nunca Se deixa vencer em generosidade [6]?

Jejum
Por fim, o jejum tira força à nossa violência, desarma-nos, constituindo uma importante ocasião de crescimento. Por um lado, permite-nos experimentar o que sentem quantos não possuem sequer o mínimo necessário, provando dia a dia as mordeduras da fome. Por outro, expressa a condição do nosso espírito, faminto de bondade e sedento da vida de Deus. O jejum desperta-nos, torna-nos mais atentos a Deus e ao próximo, reanima a vontade de obedecer a Deus, o único que sacia a nossa fome. Gostaria que a minha voz ultrapassasse as fronteiras da Igreja Católica, alcançando a todos vós, homens e mulheres de boa vontade, abertos à escuta de Deus. Se vos aflige, como a nós, a difusão da iniquidade no mundo, se vos preocupa o gelo que paralisa os corações e a ação, se vedes esmorecer o sentido da humanidade comum, uni-vos a nós para invocar juntos a Deus, jejuar juntos e, juntamente connosco, dar o que puderdes para ajudar os irmãos!

O fogo da Páscoa
Convido, sobretudo os membros da Igreja, a empreender com ardor o caminho da Quaresma, apoiados na esmola, no jejum e na oração. Se por vezes parece apagar-se em muitos corações o amor, este não se apaga no coração de Deus! Ele sempre nos dá novas ocasiões, para podermos recomeçar a amar.


24 horas para o Senhor
Ocasião propícia será, também este ano, a iniciativa «24 horas para o Senhor», que convida a celebrar o sacramento da Reconciliação num contexto de adoração eucarística. Em 2018, aquela terá lugar nos dias 9 e 10 de março – uma sexta-feira e um sábado –, inspirando -se nestas palavras do Salmo 130: «Em Ti, encontramos o perdão» (v. 4). Em cada diocese, pelo menos uma igreja ficará aberta durante 24 horas consecutivas, oferecendo a possibilidade de adoração e da confissão sacramental.

O círio pascal
Na noite de Páscoa, reviveremos o sugestivo rito de acender o círio pascal: a luz, tirada do «lume novo», pouco a pouco expulsará a escuridão e iluminará a assembleia litúrgica. «A luz de Cristo, gloriosamente ressuscitado, nos dissipe as trevas do coração e do espírito», [7] para que todos possamos reviver a experiência dos discípulos de Emaús: ouvir a palavra do Senhor e alimentar-nos do Pão Eucarístico permitirá que o nosso coração volte a inflamar-se de fé, esperança e amor.

Abençoo-vos de coração e rezo por vós. Não vos esqueçais de rezar por mim.
Vaticano, 1 de novembro de 2017 - Solenidade de Todos os Santos

Francisco 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Mensagem do Bispo Diocesano para a Quaresma de 2018
Igreja em caminho rumo ao fogo da Páscoa
† António Marto Leiria, 9 de fevereiro de 2018

No próximo dia 14 de fevereiro vamos iniciar a caminhada da Quaresma rumo ao fogo da Páscoa. Não entraremos em 40 dias de tristeza e de austeridade. Ao contrário, é uma bela ocasião para um renascimento espiritual, pessoal, familiar e social. Em verdade, não nos põe fora do mundo. Antes, mergulha-nos no coração do mundo para que estejamos aí presentes à maneira de Jesus Cristo. Nesta perspetiva, o Papa Francisco convida-nos a viver este tempo com alegria e verdade, deixando-os inspirar pela afirmação de Jesus: “Porque se multiplicará a iniquidade, vai resfriar o amor de muitos” (Mt 24, 12). É uma advertência forte e atual que leva o Papa a interrogar: “Como se resfria o amor em nós? Quais são os sinais indicadores de que o amor corre o risco de se apagar em nós?”. O vírus do resfriamento do amor nos corações e nas relações. De facto, nas páginas dos jornais e nos écrans da televisão é-nos mostrada até à saciedade a difusão da iniquidade sob as mais variadas formas de violência, de injustiça, de pobreza imerecida, de desonestidade e corrupção, de solidão. São sintomas de um vazio espiritual, de uma mentalidade de indiferença em relação a Deus e ao outro. Esta indiferença é um vírus que contagia perigosamente o nosso tempo e ameaça resfriar o amor nos corações e nas relações, até se perder o sentido de humanidade comum e solidária. O Papa aponta os sinais mais evidentes desta falta de amor nas comunidades: “são eles a apatia egoísta, o pessimismo estéril, a tentação de se isolar empenhando-se em contínuas guerras fratricidas, a mentalidade mundana que induz a ocupar-se apenas do que dá nas vistas, reduzindo assim o ardor missionário”. O remédio doce da oração, do jejum e da partilha. Perante este cenário, somos convidados a fazer um exame de consciência. Se porventura detetamos em nós e ao nosso redor os sinais aludidos, a Quaresma oferece-nos “o remédio doce da oração, da esmola e do jejum” para nossa cura. “Se por vezes parece apagar-se em muitos corações o amor, este não se apaga no coração de Deus”. A oração mais intensa ajuda-nos a descobrir a nossa verdade e “as mentiras secretas com que nos enganamos a nós mesmos” e abrir-nos ao fogo do amor que Deus acende nos corações. Neste sentido, além de outras formas ao gosto de cada um e das famílias, propomos e recomendamos novamente a todo o povo de Deus o retiro popular segundo o método da leitura orante da Palavra de Deus. Já está disponível o opusculo com o título “A Igreja, memória e missão”, de acordo com o tema do ano pastoral no centenário da restauração da Diocese. Por seu lado, o Papa recorda-nos mais uma vez a iniciativa “24 horas para o Senhor” a concretizar nos dias 9 e 10 de março, sexta-feira e sábado. Convida a celebrar o sacramento da Reconciliação num contexto de adoração eucarística, inspirando-se nestas palavras do Salmo 130: “Em Ti encontramos o perdão” (v. 4). Entre nós, cada paróquia e/ou vigararia cuidará particularmente deste aspeto. O jejum não está fora de moda. Numa sociedade de consumismo devorador não é mera questão de se privar de carne ou de comida, mas estilo de vida sóbrio. O Papa põe em relevo o significado profundo do jejum: “tira força à nossa avidez, à nossa violência, desarma-nos, constitui uma importante ocasião de crescimento. Permite-nos experimentar o que sentem quantos não possuem sequer o mínimo necessário... O jejum desperta-nos, torna-nos mais atentos a Deus e ao próximo”. Por fim, a esmola é hoje entendida como partilha do que somos e do que temos com os irmãos necessitados, sem esperar contrapartida. “Liberta-nos da ganância e ajuda-nos a descobrir que o outro é nosso irmão”. É inspirada pelo amor do próximo, pelo apelo à solidariedade para um mundo mais fraterno. “O testemunho evangélico ao qual o mundo é mais sensível é o da atenção às pessoas e da caridade para com os pobres e os que sofrem” (S. João Paulo II). Um sinal específico da partilha é a chamada renúncia quaresmal. A coleta desta renúncia na nossa diocese será canalizada, através da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, para ajudar os cristãos perseguidos no Iraque e no Paquistão, onde vivem em condições das maiores carências. Demos testemunho corajoso de generosidade! E apoiemo-los também com a nossa incessante oração. Jornada de oração e jejum pela paz O Papa Francisco convocou para o próximo dia 23 de fevereiro, sexta feira da primeira semana da Quaresma, uma “Jornada especial de oração e jejum pela paz”, oferecida sobretudo pelas populações da República Democrática do Congo e do Sul do Sudão onde se prolongam as situações de conflito. Apelo, pois, a todos e conto com o empenho dos párocos e outros agentes pastorais, dos movimentos, associações e grupos laicais para que a jornada seja proposta o mais possível a todos e seja concretizada de formas criativas. A alegria de ser Igreja em caminho com Maria Na nossa caminhada quaresmal insere-se a habitual peregrinação diocesana a Fátima no quinto domingo da quaresma, dia 18 de março. Em consonância com a celebração do Centenário da restauração da Diocese, peregrinaremos sob o lema “A alegria de ser Igreja em caminho com Maria”, nossa Padroeira sob a invocação de Nossa Senhora de Fátima. Desde já convido todos a participarem. Será um momento particular de graça na companhia da Mãe da Igreja. Ela ajuda-nos no caminho da conversão para que as nossas comunidades cresçam numa fé mais viva, numa comunhão mais fraterna, num espírito mais missionário, recebendo e irradiando o fogo e o calor do amor de Cristo na Páscoa, simbolizado no Círio Pascal.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

QUARTA-FEIRAS DE CINZAS - início da Quaresma

Cinzas de fragilidade, de 'pó'....mas também cinzas de purificação, de fazer 'bilhar'!
Cinzas de humildade (pois só os humildes precisam de confiar a sério)... e cinzas de 'voar' (desde que se saiba quem nos apoio no voo, pois sozinhos 'espalhamo-nos')
Cinzas de cinzento...mas também cinzas da verdade, 'nua e crua'; só esta nos libertará e nos dá novo 'hálito' (sopro) de vida renascida!
Cinzas onde houve fogo... mas também cinzas que se tornam 'húmus' que enriquecem a terra (e a vida).
EIS O O HORÁRIO DAS NOSSAS CELEBRAÇÕES DESTE DIA: