domingo, 30 de setembro de 2018

XXVI DOMINGO COMUM B (30 de Setembro 2018)

Não se é discípulo como quem segue um clube, partido, fação

Qual é a sua equipa preferida, Benfica, Sporting ou Porto? Um partido político de direita ou de esquerda? É a favor ou contra as touradas? Quer se trate de desporto, política ou qualquer outro domínio, muitas vezes somos arrebatados pela paixão e defendemos vigorosamente esta ou aquela causa. O âmbito religioso não está excluído. Os confrontos belicosos entre apoiantes de diferentes compreensões do que é necessário para estar do lado bom da verdade estão à vista de todos.
A passagem do Evangelho deste domingo (Marcos 9, 38-43. 45. 47-48) apresenta-nos um caso de fação. Os discípulos estão escandalizados: um homem utiliza o nome de Cristo para curar, mas sem fazer parte do seu grupo. Aos seus olhos é inaceitável. Quando informam Jesus do facto, esperariam provavelmente uma anuência, talvez até uma felicitação da sua parte. O que acontece é precisamente o contrário.
Jesus opõe-se à lógica de João, obrigando o discípulo a ver mais longe do que o seu interesse de reduto. Não terá ele visto que o homem incriminado opera realmente curas? Não terá ele visto que, graças a esse exorcista, há pessoas que reencontram a sua dignidade humana e a sua liberdade espiritual? Porque é que ele trata aquele desconhecido com tanta violência?
Para melhor compreender, é preciso recordar outro episódio narrado pelo evangelista. Um dia, os discípulos tentaram expulsar demónios. Foi o fracasso. E agora um vexame, porque aquele desconhecido teve sucesso onde eles falharam. Ficaram encurralados num pensamento concorrencial. Comparam-se àquele estranho. Julgam-no, desvalorizam-no e rejeitam-no.
«Ele não te segue connosco», é o argumento dos discípulos. Mas é um argumento que os trai. O que lhes importa não é o que é conseguido, mas a ligação que aquele homem mantém com eles, discípulos. Eles perdem de vista que ninguém pode realizar uma obra de libertação daquela grandeza sem que isso não lhe seja dado do Alto.
Se, portanto, um homem expulsa as forças maléficas em nome de Jesus, é porque compreendeu que nele Deus revela-se Salvador no meio do seu povo. Expulsar em nome de Cristo as forças alienantes não é um truque mágico para fazer adeptos pessoais e de seguida dominá-los ou explorá-los. É manifestar que em Jesus o Reino de Deus chegou até nós.
Os discípulos de Jesus são apresentados envolvidos nas mesmas tentações que os adversários de Cristo: querem ser guiados pelos conhecimentos e não pela fé, essa atitude humilde que não condena os caminhos que os outros enveredam. Para os fariseus, o ciúme e o desejo de domínio dissimulam-se numa compreensão rígida da Lei; para os discípulos, manifestam-se pela pertença ao seu grupo.
Mas Jesus não pode aceitar esta exclusão praticada pelos seus. A advertência vale também para nós. Cristo interpela a Igreja: não veem que é possível ser-se filho ou filha da Aliança sem fazer tudo como vós? A força do Pai que recria é anunciada por aqueles que, em meu nome, dão aos humanos a sua liberdade para servir o Deus que também os chama.
Hoje, só Deus é verdadeiramente “católico”. Felizmente, o seu Espírito trabalha-nos. Em Cristo.
Agnes von Kirchbach

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

FESTIVAL SOPAS Q'78 MIRA - SOPAS PARA TODOS OS GOSTOS


Uma tradição com sentido
e com 'gostos' apurados,
porque 'não há futuro sem memória'...
e porque só há um 13 de Outubro em 2018!
Vamos todos 'degustar' a variedade 
e continuar assim a apoiar assim 
a 'saga' da história dos Q'78 mirenses!
LÁ NOS ENCONTRAREMOS!

sábado, 22 de setembro de 2018

NOITE BRANCA - white party

Uma iniciativa do CUM, em colaboração com os Q'78.

XXV DOMINGO COMUM B


XXV DOMINGO COMUM B (23 de Setembro)

Acolher Deus numa criança: O Evangelho num abraço
«Chegaram a Cafarnaúm e, quando estavam em casa, Jesus perguntou: “Que discutíeis pelo caminho?” Ficaram em silêncio porque, no caminho, tinham discutido uns com os outros sobre qual deles era o maior. Sentando-se, chamou os doze e disse-lhes: “Se alguém quiser ser o primeiro, há-de ser o último de todos e o servo de todos.” E, tomando um menino, colocou-o no meio deles, abraçou-o e disse-lhes: “Quem receber um destes meninos em meu nome é a mim que recebe; e quem me receber, não me recebe a mim mas àquele que me enviou”.» (Marcos 9, 33-37)
Jesus coloca os apóstolos, e nós com eles, sob o juízo desse limpidíssimo e revolucionário pensamento: quem quer ser o primeiro seja o último e o servo de todos. De si mesmo oferece três definições, todas em contramão: último, servidor, criança.
Quem é o maior? Sobre isto já os doze tinham falado ao longo do caminho. E eis a maneira magistral de Jesus gerir as relações: não condena os seus, não os julga, não os acusa, pensa antes numa estratégia para os educar. E fá-lo com um gesto inédito: um abraço a uma criança. O Evangelho num abraço, que abre toda uma revelação: Deus é assim, mais que omnipotente, “omniabraçante” (K. Jaspers).
Jesus coloca no centro não Ele próprio, mas o mais impotente e desarmado, o mais indefeso e sem direitos, o mais frágil, o mais amado, uma criança. Se não vos tornardes como crianças… Jesus desarma-nos e liberta o nosso lado brincalhão, acriançado. Render-se à infância é render-se ao coração e ao sorriso, aceitar largar a sua mão na mão do outro, abandonar-se sem reservas (C. Cayol).
Propor uma criança como modelo do crente é fazer entrar na religião o inédito. O que é uma criança? A ternura dos abraços, a emoção das corridas, o vento no rosto… Não sabe de filosofias nem de leis. Mas conhece como ninguém a confiança, e confia-se. Jesus propõe-nos uma criança como pai, no nosso caminho de fé. «A criança é o pai do homem» (Wordsworth). As crianças dão ordens ao futuro.
E acrescenta: quem a acolhe, acolhe-me! Dá um passo em frente, enorme e inacreditável: indica a criança como sua imagem. Deus como uma criança! Vertigem do pensamento. O Rei dos reis, o Criador, o Eterno numa criança? Se Deus é como uma criança, significa que tem de ser protegido, cuidado, alimentado, ajudado, acolhido (E. Hillesum).
Acolher, verbo que gera o mundo novo como Deus o sonha. O nosso mundo terá um futuro bom quando o acolhimento, tema escaldante hoje em todas as fronteiras da Europa, for o nome novo da civilização; quando acolher ou rejeitar os desesperados, os pequenos, quer seja nas fronteiras ou à porta da minha casa, for considerado acolher ou rejeitar o próprio Deus.
A quem é como elas pertence o reino de Deus. As crianças não são melhores do que os adultos, também são egocêntricas, impulsivas e instintivas, por vezes até cruéis, mas são mestras na arte da confiança e do espanto. Sabem viver como os lírios do campo e os pássaros do céu, curiosas por aquilo que traz cada novo dia, prontas para o sorriso quando ainda não pararam de enxugar as lágrimas, porque se confiam totalmente. Ao Pai e à Mãe.
A criança traz a festa para o quotidiano. Ninguém ama a vida mais apaixonadamente do que uma criança.
Acolher Deus como uma criança: é um convite a fazer-se mãe, mãe de Deus. O modelo de fé será então Maria, a Mãe, que na sua vida não fez provavelmente mais nada de especial a não ser isto: acolher Deus numa criança. E com isso fez tudo. (Ermes Ronchi)

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

REFLEXÕES SOBRE A BUSCA DE DEUS

COMO ESCUTAR DEUS E JESUS!
Deus não se escuta estando no sofá. Compreendeis? Sentado, a vida cómoda, sem fazer nada, e quero escutar o Senhor. Asseguro-te que ouvirás qualquer coisa menos o Senhor. O Senhor, com a vida cómoda, no sofá, não se escuta. Permanecer sentados, na vida (…), cria interferência com a Palavra de Deus, que é dinâmica. A Palavra de Deus não é estática, e se tu estás estático não podes ouvi-lo. Deus descobre-se caminhando. Se tu não estás a caminho para fazer alguma coisa, para trabalhar para os outros, para levar um testemunho, para fazer o bem, nunca escutarás o Senhor. Para escutar o Senhor é preciso estar a caminho, não esperando que na vida aconteça magicamente alguma coisa. (…)
Deus detesta a preguiça e ama a ação. Colocai bem isto no coração e na cabeça: Deus detesta a preguiça e ama a ação. Os preguiçosos não podem herdar a voz do Senhor. Entendido? Mas não se trata de mexer-se para estar em forma, de correr todos os dias para treinar-se. Não, não se trata disso. Trata-se de mexer o coração, meter o coração a caminho. (…) Se queres ouvir a voz do Senhor, põe-te a caminho, vive em procura. O Senhor fala a quem está à procura. Quem procura, caminha. Estar em procura é sempre saudável; sentir-se já chegados, sobretudo para vós, é trágico. Entendestes? Nunca vos sintais chegados, nunca. Gosto de dizer, retomando o ícone do sofá, que é mau ver um jovem reformado. É mau! Um jovem deve estar a caminho, não na reforma. A juventude impele-te a isso, mas se tu te reformas aos 22 anos, envelheceste demasiado cedo, demasiado cedo.
Jesus dá-nos um conselho para escutar a voz do Senhor: «Procurai e encontrareis». Mas onde procurar? Não no telemóvel, como disse: por aí as chamadas do Senhor não chegam. Não na televisão, onde o Senhor não tem qualquer canal. Nem na música ensurdecedora e nos efeitos da droga que entontece: aí a linha com o céu é interrompida. O Senhor também não é para ser procurado à frente do espelho – este é um perigo, ouvi bem: o Senhor não é para ser procurado à frente do espelho –, onde ao estar-se só se arrisca a ficar desiludido por aquilo que se é.
Que amargura vós sentis, às vezes, que conduz à tristeza: «mas eu quem sou?»; «que faço?»; «não sei o que fazer» - e isto conduz à tristeza. Não. Em caminho, sempre em caminho. Não o procureis no vosso quartinho, fechados em vós próprios a repensar no passado ou a vaguear com o pensamento num futuro ignoto. Não, Deus fala agora na relação. No caminho e na relação com os outros. Não vos fecheis em vós próprios, confiai-vos nele, confiai tudo a Ele, procurai-o na oração, procurai-o no diálogo com os outros, procurai-o sempre em movimento, procurai-o em caminho.
Compreendereis que Jesus acredita em vós mais de quanto vós acreditais em vós próprios. Isto é importante: Jesus acredita em vós mais do quanto vós acreditais em vós próprios. Jesus ama-vos mais do que quanto vós vos amais. Procurai-o saindo de vós mesmos, em caminho: Ele espera-vos. Fazei grupo, fazei amigos, fazei caminhos, fazei encontros, fazei Igreja assim, caminhando. O Evangelho é escola de vida, o Evangelho leva-nos sempre ao caminho. Creio que este é o modo de preparar-se para escutar o Senhor.
E depois ouvireis o convite do Senhor a fazer uma coisa ou uma outra. No Evangelho vemos que a alguém diz «segue-me», a outro diz «vai e faz isso». O Senhor far-te-á ouvir o que quer de ti, desde que não estejas sentado, que estejas em caminho, que procures os outros e procures fazer diálogo e comunidade com os outros, e sobretudo que tu rezes. Reza com as tuas palavras, com aquilo que te vem do coração. É a oração mais bela. Jesus chama-nos sempre a lançarmo-nos ao largo: não te satisfaças em olhar para o horizonte da costa, não, avança. Jesus não quer que fiques no banco, convida-te a descer ao campo. Não te quer nos bastidores a olhar os outros ou na tribuna a comentar, mas quer-te em cena. Mete-te em jogo! Tens medo de fazer figuras tristes? Fá-las, paciência. Todos fizemos tantas, tantas. Perder a face não é o drama da vida. O drama da vida é antes não nos metermos de cara: esse é que é o drama, é não dar a vida. É melhor cavalgar os sonhos belos com algumas figuras tristes do que tornar-se reformados pelo viver sossegado – barrigudos, cómodos. É melhor bons idealistas do que realistas preguiçosos; é melhor ser D. Quixote do que Sancho Pança.
Outra coisa que vos pode ajudar, disse-o de passagem mas quero repeti-lo: sonhai em grande. Sonhai em grande, à grande. Porque nos grandes sonhos encontrarás muitas, muitas palavras do Senhor que te está a dizer alguma coisa.
Caminhar, procurar, sonhar. 
Um último verbo que ajuda para escutar a voz do Senhor é servir, fazer alguma coisa pelos outros. Sempre para os outros, não dobrado sobre ti próprio, como aqueles que têm por nome “eu, mim, comigo, para mim”, aquela gente que vive para si mesma mas no fim acaba como o vinagre, tão mau… Papa Francisco 

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

COLHEITA DE SANGUE EM MIRA DE AIRE - 20 de Setembro


INSCRIÇÕES ACTIVIDADES PAROQUIAIS - Ano Pastoral 2018-2019


DIA PAROQUIAL DO DOENTE - Mira de Aire

DIA DO DOENTE em Mira de Aire. Muitos dirão: "ah, isso é fantochada, temos de estar todos os dias perto deles, e tal e tal...' e nós perguntamos a quem faz essa acertada afirmação: "tu estás? fazes isso? todos os dias, ou com alguma regularidade?". Ou essa não será antes uma maneira pragmática de baldar-se e descartar-se dos pequenos, mas significantes gestos. O certo é que foi uma tarde 'bonita' de gestos bonitos, cheia de sentido, de partilha, oração, alegria e sorrisos, para e com os que vivem 'marcas' visíveis' (e invisíveis) da dor e sofrimento (alguns do 'sofrimento da solidão'). Felizes os que 'guardaram' algum do seu tempo, de seu aparente 'precioso' tempo, para serem um autêntico 'tesouro' para várias dezenas de irmãos e irmãs de Mira de Aire. A todos os colaboradores desta tarde, além do 'obrigado' devido, certamente ficará a satisfação duma presença significante. Na vida é fácil estar e tudo fazer para presenciar as alegrias, mas muito mais valor estar nos outros (tais) momentos e acontecimentos e situações da vida! O certo, certo - eu vi e atesto (como muitos o poderão confirmar) - , pessoas doloridas pelas agruras do sofrer a cantar e até a dar um pézinho de dança, vi alegrias em muitos rostos quando rezámos juntos diante do altar e à Mãe de Jesus, e também vi alguns rostos tristes por estarem ali sós (sem um único familiar por perto), ah e ainda vi esforço e alegria naqueles que pegaram 'ao colo' pessoas com 80 e 90 anos! Não nos fará pensar em nada? E esse, doentes e mais idosos da Mira, rejubilaram com os 'acordes' das concertinas dos nossos amigos da barrenta! Feliz tarde, feliz dia... que Deus e sua Mãe nos permita dar continuidade, com gestos mais assíduos (também nível individual)Proponho agora que vejamos com os olhos, como garantia das palavras.



quarta-feira, 12 de setembro de 2018

UM ANO PASTORAL - 217-2018 - EM IMAGENS (retrospectiva fotográfica)

Nestes dias, indicador de algum 'descanso' em certas áreas da vida pastoral - nomeadamente da catequese, pois noutras áreas (baptizados, casamentos e Festas paroquiais...) este é tempo forte e empenhativo para boa parte das comunidades, especialmente para os que assumem responsabilidades primeiras -  proponho uma retrospectiva de alguns acontecimentos que as comunidades paroquiais viveram, celebraram e festejaram. Apenas alguns...muitas outras dinâmicas e actividades foram 
Tudo isto é sinal de vitalidade, pois por vezes parece - especialmente a quem eventualmente ande mais arredado - que não se faz nada e que é tudo 'chapa 5' (sempre a mesma coisa)! Não será nada assim...e que as imagens - apenas uma pequeníssima parte - sirvam para nos fazer sentir a alegria de ser 'família cristã' e humana e nos incentivem a valorizarmos a comunidade e a ser colaboradores activos. Deixar a 'cadeira' para subirmos e descermos as escadas...mesmo quando não é fácil. 'O tempo nunca falta, tudo depende das prioridades'! 
Afinal o ano pastoral Outubro a Junho não foi em vão.
O amadorismo na composição fotografica é evidente, porque a finalidade não é técnica mas sim o de sentir o 'pulsar' da vida, não só paroquial, mas também social.
Esperamos que seja do agrado.
AGORA VAMOS 'DAR AO CHINELO' (pôr-nos a arrancar de novo) PARA AVANÇARMOS SEMPRE...COM AS NOSSAS FORÇAS E FRAGILIDADES (quem as não têm umas e outras)!
Padres Luizes


ORA AÍ VAI: divirtam-se !

Mira  de Aire

https://video214.com/play/VJC2znENT3U2kAP4ftx9eg/s/dark

https://video214.com/play/Go75ossml1BOy2apBsyinw/s/dark

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

PERCURSO ORIGINAL DE PARTILHA PARA CASAIS (sem medos)

7º PERCURSO ELE&ELE/THE MARRIAGE COURSE - 22/Setembro/2018 - Restaurante Abissínia, Barreiros, Amor

Caixa de entrada
x

Pastoral Familiar Diocese Leiria-Fátima pastoralfamiliarleiria@gmail.com

Anexos11:51 (há 5 horas)
para Bcc:eu
Rev padres,

No dia 22 de Setembro  vai ter início o 7º PERCURSO ELA & ELE (THE MARRIAGE COURSE). 
Trata-se de um percurso romântico para casais, que tem por objetivo avivar as cores da relação entre os dois. São 7 jantares (mais um jantar final de convívio) à luz das velas e com música ambiente, em que é dada a oportunidade aos casais de dialogarem acerca de assuntos importantes e tantas vezes esquecidos na vida a dois. O percurso é feito só por eles, uma vez que não há momentos de partilha em grupo. Desta forma, haverá toda a privacidade necessária a um profundo diálogo conjugal.
 O PERCURSO ELA & ELE destina-se a todos os casais sem exceção: casados catolicamente, civilmente ou em união de facto. Os conteúdos e estrutura do Percurso são da autoria do secretariado do Percurso Alpha.
Tudo vai acontecer no restaurante “Abissínia” nos Barreiros, Amor, com o apoio do nosso Departamento.
Cada jantar terá o valor de 20€ por casal. No entanto, nunca serão razões económicas que impedirão alguém de participar. Contactem-nos e encontraremos uma solução.
E já agora, porque não oferecer uma ou duas sessões a um casal amigo e dar-lhes desta forma o incentivo para participar?
Junto enviamos em anexo o folheto para envio de inscrições onde poderão encontrar toda a informação necessária. Chamamos a atenção para o facto de as inscrições serem limitadas à dimensão do espaço, pelo que quanto mais cedo forem feitas, maior será a garantia de terem lugar no Percurso.
Pedimo-vos, pois, que esta proposta seja difundida nas vossas comunidades para bem dos casais e das famílias. Os casais que já participaram dão testemunho dos benefícios que receberam. Por isso acreditamos que vale a pena o esforço!

Com amizade,
Pelo Departamento de Pastoral Familiar,
Elsa & José António Machado

ver mais
https://mail.google.com/mail/u/0?ui=2&ik=f90b8f6b3f&attid=0.1&permmsgid=msg-f:1610673884482365795&th=165a435d3d91e963&view=att&disp=inline&realattid=165a419050e338772e31
Área de anexos

domingo, 2 de setembro de 2018

XXII DOMINGO COMUM B (2 de Setembro)

XXII TC: «…do interior do homem é que saem as más intenções…» - Ano B

Exterior…
Quando olhamos para alguém que passa na rua, com um aspeto físico esbelto:
um sorriso na face, uns olhos azuis brilhantes, um tom de pele moreno e um cabelo sedoso…
ficamos como que em câmara lenta, a olhar para tão bela obra de Deus!
Imediatamente, um pensamento nos assalta: “Meu Deus…que beleza rara!” A beleza é algo que nos faz sonhar.

Quando vemos na rua alguém de rosto sujo e sem sorriso, com um olhar negro e amargurado pela tristeza…
Alguém que se recusa a parar de olhar para nós e que nos faz desviar o olhar…
Alguém que não nos faz sonhar e nos faz penar com a dúvida:
“Meu Deus… que fez este ser humano para chegar a este estado deplorável?”
Lembra-nos que a pobreza humana avassala o nosso peito e a nossa forma de viver!

Para quem tem um coração onde habitam os sentimentos da Felicidade e do Amor é árduo o sofrimento alheio.
É nesta troca de dor e mágoa que ambicionamos a Misericórdia Divina.
Invocamos a presença de Deus e queremos, com todas as nossas forças,
que a maldade termine e que a beleza reine por toda a terra!

Esta Esperança é-nos atirada como MISSÃO:
«…escuta, Israel, as leis e os preceitos que vos dou a conhecer e ponde-os em PRÁTICA…»Que faremos dos Mandamentos da Lei do Senhor, se os guardarmos num cofre seguro?
NADA! É como se não existissem.
É preciso responder à pergunta: «Quem habitará, Senhor, no vosso santuário?»e… novamente, é a Palavra que escutamos, constantemente, que nos responde:
«O que não faz mal ao seu próximo, nem ultraja o seu semelhante; 
o que tem por desprezível o ímpio, mas estima os que temem o Senhor.»
Está tudo lá… Bem indicado, bem estudado, bem explicado, bem semeado…
Só que não há quem queira ser indicador, quem queira ser estudo,
quem queira ser explicação, quem queira ser semente!
«Sede cumpridores da palavra e não apenas ouvintes, pois seria enganar-vos a vós mesmos.»A Palavra perde-se… como nuvem que paira no céu até se transformar em gota de água que rega os campos!
A chuva lava e é desejada, mas não há quem se lembre da nuvem, se esta não se transformar em água…

A Liturgia do 22º do Tempo Comum, do Ano B,
quer que a definição das nossas prioridades fique bem delineada!
O que é importante para NÓS? O que é essencial para TI?
O que te faz executar? O que te faz querer algo?
O que te faz respirar? O que te faz VIVER?
Sentira beleza e o carinho… Vera pureza e a alegria!
Não podemos manchar a nossa mente com:
«…imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, cobiças,
 injustiças, fraudes, devassidão, inveja, difamação, orgulho, insensatez.»
Ficaríamos mais impuros do que o sem-abrigo que nos fita com o olhar! Seríamos o expoente máximo da hipocrisia!
Lava o coração. Deixa-o de molho… Esfrega-o… vai sujar as mãos e os pés na terra fria,
que ambiciona acolher a tua semente de Amor ao Próximo!

Ser Baptizado, ser Cristão, é conseguir transformar o olhar negro e profundamente triste numa bela obra Divina.
Não fiques parado a admirar o exterior!
Tenta fazer um Raio-X e encontrar o coração puro e belo que habita em cada ser.
Executa a Palavra! Mostra à humanidade que a beleza dos teus olhos está na ação dos teus braços quando abraças,
na pureza dos teus passos quando vais ter com aquele que sofre, para seres nuvem que rega e lava…
Sorriso exterior sujo, mas puro e humilde que faz crescer e dá AMOR!

XXII DOMINGO COMUM B