A VER


Calendário Interparoquial

sábado, 25 de agosto de 2018

XXI DOMINGO COMUM B (26 de Setembro)

XXI TC: «Ninguém pode vir a Mim, se não lhe for concedido por meu Pai»

Serviço…
Aquele que serve voluntariamente é invadido por sentimentos de Paz e de Alegria.
Não há nada que faça melhor à alma do que o DAR gratuitamentee sem esperar recompensa.
Aquele Estado Zenque nos faz apreciar a VIDA e escolher o BEM, a PARTILHA, a VERDADE, o SERVIÇO…

«Longe de nós abandonar o Senhor para servir outros deuses; porque o Senhor é o nosso Deus…»Eis a maior dificuldade do nosso estado de Alegria Plena: Servir apenas ao NOSSO Deus.
Um Deus que é Pai e é Amor.
Um Deus que nos dá a Liberdade.
Um Deus que vem para nos Salvar.
Um Deus que espalha Esperança.
Um Deus que nos faz respirar a Fé.
Um Deus que nos alimenta a Caridade.
Um Deus que nos Serve… e nos faz Servir o próximo com Amor!

«O Senhor defende a vida dos seus servos, não serão castigados os que n’Ele se refugiam.»O que podemos temer diante de um Deus que nos Ama e não nos castiga?
A Sua bondade é imensa e tão infinita, que ao primeiro sinal de arrependimento e
que queremos voltar ao convívio intenso com o Pai, faz-nos sentir acolhidos e amados.
Desarma-nos com um abraço e volta os nossos olhos para aqueles que vivem sem Deus,
para que a Sua Igreja chegue a todos sem distinção e com Amor.

«Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e Se entregou por ela.»Aquele que AMA verdadeiramente sabe que o importante não é a sua vontade, mas sim que o outro seja feliz!
Mas, este Amor só é pleno quando nos amamos primeiramente a nós e
sem hesitar, somos capazes de Servir o outro e com a mesma intensidade, com a mesma loucura…
Será que conseguimos imaginar esta “sentença” transformar-se em realidade?
Um mundo onde eu amo tanto o outro que apenas o quero ver feliz?
Uma terra repleta de Amor-próprio que nos oferece a recompensa de Servir a Deus e ser-Lhe submisso?

Hoje, a liturgia do 21º domingo do Tempo Comum, do Ano B, resgata-nos da invasão do vazio e
transforma-nos em SubmissosServos. «Estas palavras são duras. Quem pode escutá-las?»
Esta submissão não nos verga, nem nos dá escravidão…
Não podemos sentir que aceitar a vontade de Deus nos corta a imaginação,
nos obriga a carregar um fardo que não queremos, nos faz cativos de uma missão que nos fará infelizes.

«Isto escandaliza-vos?»SIM! Como podemos ser Servos Submissos e Homens e Mulheres Livres e Felizes?
Com Amor! Com Alegria e com Esperança! Com Fé Naquele que nos criou e nos salvou.
As Palavras do Messiasno tempo em que vivemos são como balas soltas… Todos fugimos delas!!!
Não faz parte da nossa VIDA a palavra “Servir” e a palavra “Submisso” é sinónimo de totóe de fraco.
Não sabemos AMAR como Cristo AMA a Igreja… (nem queremos muito este estilo de vida para nós…)

«Também vós quereis ir embora?»

O Projeto de Deus está à tua espera para ser cumprido! Somos A Igreja…
Somos a bela Esposa que quer ser amada pelo Marido que a olha com respeito, doçura e imenso Amor!
Aquele Amor que nos faz Servos de um caminho pleno de Alegria, Graça, Partilha e Vida…
Numa vida onde: «O espírito é que dá vida, a carne não serve de nada.»
e onde não sabemos onde vamos sem Ti, Senhor e autor da Vida…
Sem Ti, Jesus, que «…tens palavras de vida eterna.»

sábado, 18 de agosto de 2018

XX DOMINGO TEMPO COMUM (19 Agosto 2018)

«… Eu vivo pelo Pai, também aquele que Me come viverá por Mim.

Sabedoria… 

Ser sábio é ter um conhecimento vasto sobre mil assuntos… 
Há quem acolha a sabedoria e a enterre para que mais ninguém tenha conhecimento do que sabe.
Há quem durante a sua vida aumente a bagagem da sua sabedoria, com a partilha de experiências maravilhosas.
Há quem possua o Dom da Sabedoria, mas não o utilize com sensatez nem com prudência.
Há quem ame a sabedoria e a espalhe, como uma brisa suave, por onde caminha.

Já pedirama Deus que vos ilumine o pensamento com uma sabedoria pura e de íntimo bom?
A Sabedoria capaz de servir cada homem e cada mulher!
A Sabedoria capaz de gritar bem alto a vontadede Deus:
«Vinde comer do meu pão e beber do vinho que vos preparei. 
Deixai a insensatez e vivereis; segui o caminho da prudência»

No tempo que vivemos, («Aproveitai bem o tempo, porque os dias que correm são maus.»)
somos convidados a permanecer inquietosperante a insensatez:
«…enchei-vos do Espírito Santo, recitando entre vós salmos,
hinos e cânticos espirituais, cantando e salmodiando em vossos corações…»
Não podemos ficar alheios com a má forma com que os Baptizados (os Filhos de Deus)
cuidam e amam o Espírito Santo que os habita.
Não escutam, não partem à procura, não ambicionam entender o Bem e aniquilam o Alimento das suas vidas…

«Temei o Senhor, vós os seus fiéis, porque nada falta aos que O temem. 
Os poderosos empobrecem e passam fome, aos que procuram o Senhor não faltará riqueza alguma.»

Esta é a fome que mata os nossos irmãos!
Esta é a fome que nos corrói a alma!
Esta é a fome que O Cristo vem humilhar com a forte afirmação:
«Eu sou o pão vivo que desceu do Céu.»

Hoje, a liturgia do 20º domingo do Tempo Comum, do Ano B, continua a saciar a nossa descrença e 
destrói qualquer ameaça que possa destronar a nossa vontade de celebrar a Esperança:
«Se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós.»Só há uma realidade justa e sensata, neste momento: Vamos acolher o Pão no nosso coração!

Tu mortal, que pensas ter tudo, que vives e és feliz com a futilidade dos tempos e da matéria…
Não queiras alimentar a sabedoria mental que te habita o ser e te faz crer que és maior do que o outro!
Não permaneças descrente a olhar para o altar, onde o sacrifício do Senhor da Vida é revivido,
para teu bem e para que a tua vida tenha muito mais sabor e muito mais sentido!

Oh! Mortal… que passas por mim e fazes-me sentir bem melhor e bem mais forte,
pois levas contigo, dentro do teu peito um segredo pequenino e altivo
que se esmera por ser o melhor que tens em ti…

É Jesus Eucaristia… 
é beleza rara e pura que o Pai nos envia e nos assegura
sempre que caminhamos até Deus Filho com a simplicidade de uma criança,
que desperta humilde e desesperadamente a Esperança, 
de viver em Igreja para cumprir a vontade
de SER pobre na riqueza da alegria e da obediência,
a Deus Criador que nos faculta o Espírito Santo repleto da Sabedoria,
que nos faz caminhar no AMOR…

Liliana Dinis

XX DOMINGO COMUM B


terça-feira, 14 de agosto de 2018

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

A MUDANÇA NECESSÁRIA - A TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR (6 de Agosto)

UMA VOZ VINDA DO CÉU!
Bem precisamos das vozes que o céu nos envia, já que cá - entre nós - na terra as 'vozes são muitas mas tão frágeis e , ora se 'desanca' ora se aplaude, como se o mundo virasse de um dia para o outros. Creio que foram e são poucos os privilegiados que fazem 'conversões' tão rápidas. Mas nas atitudes e linguagens, no mundo das pessoas, somos os 'maiores'!
A inconstância
A festa de TRANSFIGURAÇÃO DE JESUS é apenas um apelo à 'elevação' de vida, a deixar o 'absolutismo' das coisas do mundo para nos afeiçoar-nos 'ao absoluto de Deus'.
Precisamos mesmo de escutar e dar mais espaço e valor às 'vozes' vindas do céu, elas vêm sempre donde menos esperamos e através de bons 'mensageiros' de Deus.
Será que ainda somos capazes de nos 'agarrar'? Ou deixamo-nos andar?