quinta-feira, 26 de setembro de 2019

DIA PAROQUIAL DO DOENTE (MIRA DE AIRE)- a alegria do reconhecimento!

'Ser reconhecidos' pode significar dar graças por algo ou alguém e agradecer, mas também pode querer dizer que se percebe a importância de alguém e lhe se dá um especial valor. Os doentes e mais idosos de Mira de Aire sentiram-se 'reconhecidos' na celebração de fé e convivial, que decorreu no Sábado, dia 21 de Setembro, na Igreja Paroquial e na Baiúca. Eles perceberam que alguns mirenses quiserem dedicar-lhes um lugar especial e estar com eles, na oração e na alegria. Já sabemos que não basta uma tarde ou um dia (dizem os ausentes desta celebração), blá, blá blá... mas a vida precisa de sinais e muitos dos que hoje acompanharam estes nossos irmãos e irmãs já lhes oferecem muito do seu tempo (em cada dia)! Normalmente é quem 'mais critica e - pica - que nada ou pouco faz'! Foi uma bela tarde e estes nossos amigos ficaram muito felizes e isso é que conta!
Com a preciosa inter-ajuda dos Q'79, do grupo 'Entre Serras' que animou o convívio, de todos os colaboradores do grupo da Pastoral da Saúde paroquial, dos Bombeiros de Mira de Aire que transportou muitos dos doentes e idosos, das funcionárias do Abrigo S. José e da Casa Amparo Familiar e outros dedicados mirenses que deram algum contributo... a comunidade pode sentir que todos e cada um têm um lugar 'unico'. Ninguém se pode excluir, e de modo especial os que têm no seu corpo as 'marcas' do sofrimento e da dor.
Depois de uma sentida e bela celebração - que incluiu o sacramento da Santa Unção a alguns doentes -  por entre os pingos da chuva, viveu-se um tempo de partilha entre todos os que quiserem participar!



domingo, 22 de setembro de 2019

XXV COMUM C - Uma reflexão a partir da Palavra


XXIV TC: «Quem é fiel nas coisas pequenas também é fiel nas grandes…»
Fiel… como é bom ser fiel e não ter “esqueletos” no armário…
Fidelidade… a virtude da fidelidade é ponto fundamental para quem sabe amar…
Fidelizar… é preciso fidelizar a nossa vida, especialmente, quando temos a noção da fraqueza humana…
Não podemos nem devemos medir a fidelidade, porque ser fiel implica ser feliz,
ao fazer alguém feliz, e não há fita métrica com tal capacidade.
Também não há forma electrónica para fidelizar a vida,
porque a nossa vida deveria ser totalmente fiel ao Criador!
Só é verdadeiramente fiel aquele que sabe viver em liberdade!
É preciso não esquecer esta verdade…
Há muitas formas para contornar o que está mal, para dar a volta por cima em algum mal-entendido:
«Faremos a medida mais pequena, aumentaremos o preço, arranjaremos balanças falsas.»
Aquele que tem conhecimento da verdade, da forma como o problema foi resolvido,
deveria ter na sua consciência a forte convicção de: «Louvar o Senhor, que levanta os fracos.»
Esse alguém… que até terminou com o mal, através de um malabarismo qualquer, é digno que:
«…os homens rezem em toda a parte, erguendo para o Céu as mãos santas, sem ira nem contenda.»
pela sua intenção, pela sua entrega, pela sua obra… (se realmente foi em prol do bem-comum!)
Hoje, a liturgia do 25º domingo do Tempo Comum, Ano C, confia-nos um forte ensinamento:
«Se não fostes fiéis no que se refere ao vil dinheiro, quem vos confiará o verdadeiro bem?»
A questão é impertinente… porque o Homem, teimosamente, não olha a meios para ter mais uns trocos…
A humanidade, por condição, por se deixar levar,
revela-se com um sentido menor, no que respeita à fidelidade monetária!
Mais uma vez, através de uma parábola do Mestre, redigida pelo homem S. Lucas,
Jesus fala-nos de um administrador desonesto que ao perdoar meia dívida a todos os devedores do seu senhor,
semeou a bondade, mas fê-lo para o seu próprio bem (com segundas intenções):
«…os filhos deste mundo são mais espertos do que os filhos da luz, no trato com os seus semelhantes.»
Por isso, foi elogiado. No entanto, será digno de confiança?
Não! O Messias termina o ensinamento com: «Não podeis servir a Deus e ao dinheiro!»
Há um ditado do tempo da avó que nos ensina: “As boas contas fazem os bons amigos!”
Quando há uma jantarada e resolvemos pagar a conta, ficamos à espera do reconhecimento, daquele: “Obrigado!”.
Pensamos também que seremos eternamente reconhecidos pela atitude! Ficamos felizes.
Quando alguém nos paga a jantarada, somos os primeiros a dar aquele abraço e a dizer:
“Oh! Amigo, não era necessário. Tínhamos pago a meias! Mas, estou-te muito grato!”
Podemos até esquecer o gesto do amigo durante a semana seguinte…
mas, quando o amigo precisar, lembrar-nos-emos dos bons momentos.
Será que conseguimos entender melhor a Boa Nova, com este exemplo?!
 Vamos ser fiéis ao sentimento!
Quando damos algo, que seja de coração.
Quando fazemos o bem, que o nosso gesto fique gravado no peito de quem ficou feliz,
e seja banido da nossa mente, como quem diz: “Só fiz a minha obrigação!”
Amigo, irmão, escuta com atenção: Ser Missão neste mundo é para quem quer ser LUZ,
não é para quem quer ter luz! O Ter e o Ser… novamente em questão!
Eis a fita-métrica que mede o mundo, e a humanidade cai sempre nesta tentação: quer ter mais e Ser menos!
Lembra-te: No teu relacionamento com O Pai basta fidelizares o teu pensamento ao Dele.
Sentirás que a fidelidade é o que tem mais quilómetros na tua vida. Serás capaz de Ser mais forte!
Serás fiel naquela pobreza com que o Cristo nos enriqueceu:
a Verdade de viver livre, com o peito aberto e a irradiar AMOR GRATUITO!              
Liliana Dinis

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

VIAGEM TERRA SANTA (Israel) - 2 a 9 Julho 2020

Estamos a propor um viagem à Terra Santa. Não esquecer que no fim deste ano tem de haver a garantia da sua realização e as inscrições. Quantos mais inscrições, mais fácil se torna o custo. Divulgue-se o melhor possível. Os lugares são limitados!

- aqui se apresenta os elementos fundamentais dos quais se deve ter noção: o programa detalhado, o preço da viagem (conforme o número).
- o boletim de inscrição que deve ser entregue (conforme as indicações até ao fim do ano 2019), com a data de própria inscrição.

AGUARDAM-SE AS INSCRIÇÕES LOGO QUE POSSÍVEL.

As inscrições podem ser entregues no Cartório Paroquial de Mira de Aire, a um dos sacerdotes ou directamente na Agência (comunicando ao P Luis).
(a ficha de inscrição vai em duplicado para o caso de serem duas pessoas, se for individual preencha-se apenas uma delas. Pode ser impressa e entregue)





domingo, 1 de setembro de 2019

XXII COMUM C - Uma reflexão a partir da Palavra...

XXII TC: «…alguém mais importante do que tu…»​​-Ano C
Importante… Aquele Ser que nos dá uma felicidade tal, que somos capazes de tudo para o ter ao nosso lado!
Importância… Aquilo que damos a algo em todos os momentos do nosso viver!
Importa… Aquela resposta que proferimos quando nos interrogam sobre o que faz a diferença no nosso dia-a-dia!
Cada um de nós pesa, mede e sente a importância desse alguém, desse sentimento ou desse bem
que nos faz correr… que nos faz sorrir… que nos faz ambicionar…
E que seja sempre com um grau elevado de humildade!
Temos a desagradável forma de olhar para “os importantes” e de sentirmos que são maiores do que nós.
A verdade é que só o são, quando não se sentem assim tão importantes.
É preciso regar a semente do bem e da generosidade
com aquela água pura que faz crescer a admiração e não o medo:
«A desgraça do soberbo não tem cura, porque a árvore da maldade criou nele raízes.»
Deus criou-nos semelhantes a Ele, a todos sem distinção, com aquele coração forte e capaz de servir o outro,
apenas porque: “SIM! Eu quero estar contigo! Eu quero partilhar o teu dia-a-dia!”
É preciso aprender a edificar humildemente uma ponte entre nós, criaturas do Altíssimo,
e o Pai que nos liberta no mundo, para que “Os justos se alegrem na presença de Deus,
exultem e transbordem de alegria” ao professarem com Esperança a Fé no Senhor do Universo:
«Na vossa bondade, Senhor, preparastes uma casa para o pobre.»
Esta pobreza que nasce com cada um de nós, que nos dá a coragem para crescermos em graça,
com a certeza de que Deus não está longe, mas vive ali ao lado,
na criança que chora perdida ao olhar para a televisão,
que exibe um mundo monstro onde impera a guerra e a violência.
É preciso alimentar este desejo de estar perto, de sentir, de tocar Deus… mão na mão, coração no coração:
«Vós aproximastes-vos do monte Sião, da cidade do Deus vivo, a Jerusalém celeste…»
A Felicidade está aqui… e o Paraíso é talhado por mim e por ti que semeamos alegremente a humildade,
num gesto de carinho que é o maior segredo entre mim e quem o recebe! 
Hoje, a Liturgia do 22º domingo do Tempo Comum, do ano C, sussurra-nos ao ouvido uma condição importante,
para que a nossa vida seja um banquete único e memorável, para todos os que o partilham connosco!
Jesus, O Mestre das parábolas, segreda com doçura e frescura,
àqueles que recebem o convite: «…quando fores convidado, vai sentar-te no último lugar…»
àqueles que enviam o convite: «…convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos…»
É tão importante para mim ser o convidado principal!
Ser aquele que todos querem ao seu lado!
«Amigo, sobe mais para cima…»
Esqueço-me tantas vezes de que a minha insignificância leva-me por caminhos mais justos…
É tão importante para mim convidar aqueles que são meus amigos,
que partilham as minhas ideologias e fazem com que eu me sinta bem e importante!
«…serás feliz por eles não terem com que retribuir-te…»
Esqueço-me tantas vezes de que a minha generosidade não pode esperar recompensa…
O segredo que, hoje, Jesus, O Manso e Humilde de coração, quer revelar é a importância da humildade na tua vida!
Se avaliares tudo o que fazes pelos outros, por um mundo mais belo e mais fraterno até…
encontrarás a semente da humildade ou apenas a tua forma de te afirmares como Um Ser Importante?
Sabes, o sem-abrigo com quem partilhaste o almoço deu-te muito mais:
ofereceu-te a oportunidade de seres bom e humilde…
de seres feliz por colocares um sorriso no rosto de um alguém (um sem nome e que não importa)!
E… sabes? Ele é muito mais importante na tua vida, do que tu na vida dele.
Agora, vai! Aceitas o convite do Messias? Então, convida para o teu banquete aqueles que mais precisam de amor!                Liliana Dinis